A estátua da Dama de Brassempouy é uma das mais antigas representações do rosto humano

De Nicolas Drouvot, 27 de novembro de 2018, referindo-se à noticia de Green Fairy (28/12/15) no site http://www.ancient-origins.es
bem como à noticia de connaissancedesarts.com (5/11/18) no site https://www.connaissancedesarts.com

A estátua da Dama de Brassempouy

Click!Ícone da arte paleolítica, a Dama de Brassempouy é uma das primeiras representações esculpidas de um rosto humano.

Entre as figurinhas que passaram pelo tempo estão várias dezenas de estatuetas femininas, apelidadas de "Vênus", esculpidas em pedra, marfim ou argila. Mais numerosas que as dos homens, essas representações femininas foram realizadas entre 25.000 e 20.000 aC e nos dão uma imagem viva, embora fortemente simbólica, da mulher paleolítica.

A mais famosa e mais comovente delas é, sem dúvida, a Vênus de Brassempouy, também conhecida como a “Dama de Capuz”, uma estatueta de marfim de apenas 3,65 cm de altura, descoberta em 1894 na Caverna do Papa, no Landes (Dordonha, França).

Do ponto de vista técnico, o objeto atesta o grande domínio de seu escultor que soube lidar com a arte da incisão, perfuração e polimento. Olhos amendoados, sobrancelhas finas, covinhas, um penteado elaborado.... Esse rosto também impressiona pelo equilíbrio de sua composição e pela delicadeza de suas feições.

Embora a maioria dos especialistas concorda a dizer que seu cabelo é elaborado, evocando uma peruca egípcia, uma minoria prefere ver uma espécie de capuz. A estatueta é estimada em 24.000 a 26.000 anos, tornando-se um objeto de arte gravetiense, a segunda fase do Paleolítico Superior.

O caráter realista de seu tratamento distingue a dama de Brassempouy de suas contemporâneas (Vênus de Lespugue ou Willendorf, por exemplo), mas não podemos ver no entanto um verdadeiro retrato individualizado.

Imagem sobretudo simbólica da feminilidade, essa estatueta provavelmente tinha, acima de tudo, funções religiosas, ligadas a um culto à fecundidade.

[Se você gostou deste artigo, poderá gostar também, desta noticia: Arqueólogos descobrem uma esplêndida 'Vênus' de 23.000 anos na Rússia]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Outras noticias sobre a categoria Primeiros homens publicadas no site.

2 de novembro de 2018

Por que esse local de sepultamento paleolítico é tão estranho (e tão importante)

Por que esse local de sepultamento paleolítico é tão estranho (e tão importante)

Um antigo lugar de enterro na Rússia desafia-nos a repensar o modo como os homens paleolíticos da Europa trataram os seus mortos e organizaram as suas sociedades.

Cerca de 34 mil anos atrás, caçadores-coletores que aravam as planícies russas começaram a enterrar seus mortos no local de Sunghir, a cerca de 200 quilômetros a leste do atual Moscovo.

Agora considerado um dos locais mais emblemáticos do Paleolítico Superior da Europa, Sunghir foi descoberto em 1955, quando era então uma pedreira. Após escavações cuidadosas de 1957 a 1977, que desenterraram vestígios de 30.000 a 34.000 anos, o local nunca deixou de fascinar os arqueólogos. O local de enterro contém os enterros extremamente elaborados de um homem adulto coberto com pérolas e ocre …