Milhares de cavaleiros podem ter invadido a Europa da Idade do Bronze, transformando a população local

Por ND, 15 de novembro de 2017, referindo-se ao artigo de Ann Gibbons (21 de fevereiro de 2017) para http://www.sciencemag.org/.

Um esqueleto Yamnaya de um enterro da estepe russa

A progressão do proto-indo-européio na Ásia Central em torno de 3000 aC.

Ha cinco mil anos atrás (BP), na Idade do Bronze antigo, homens chegando das estepas de Eurasia teriam penetrado na Europa a cavalo - talvez deixando as suas esposas para trás.

Esta migração principalmente masculina, provavelmente por conquista, com cavalos e carruagens, poderia ter se perpetuado por algumas gerações, casando-se com as mulheres das regiões visitadas, deixando um forte impacto no genoma dos europeus a partir desse período.

Os europeus são, de fato, os descendentes de pelo menos três grandes migrações de populações pré-históricas. Primeiro, um grupo de caçadores-coletores chegou na Europa há cerca de 37 mil anos (BP). Em seguida, agricultores começaram a migrar da Anatólia (atual Turquia) para a Europa há 9.000 anos (BP), mas eles não se misturaram muito com as populações locais de caçadores-coletores porque eles chegaram com as suas próprias famílias. Finalmente, ha 5.000 ou 4.800 anos atrás, os nômades conhecidos como Yamnaya entraram na Europa. Eles pertenciam a uma antiga cultura da Idade do Bronze das estepes da Rússia moderna e da Ucrânia, trazendo consigo o conhecimento da metalurgia e talvez a misteriosa linguagem proto-indo-européia que deu cerca de 400 Línguas indo-européias faladas hoje.

Eles imediatamente se misturaram com os europeus locais, e seriam os descendentes dos fazendeiros bem como dos caçadores-coletores. Por alguns séculos, os Yamnaya teriam contribuído geneticamente para pelo menos a metade dos antepassados ​​dos europeus do centro da Europa.

Na verdade, os europeus que viveram antes da migração Yamnaya herdaram um número equivalente do DNA dos agricultores anatólios em seus cromossomos X e seus autossomos, o que significa que um número igual de homens e mulheres tomou parte para a migração dos agricultores da Anatólia para a Europa.

No entanto, os pesquisadores encontraram em populações européias da Idade do Bronze antigo muito menos DNA Yamnaya em seus cromossomos X do que em seus outros cromossomos. A equipe avança uma proporção de talvez 10 homens para cada mulher para a migração Yamnaya para a Europa.

Isso confirmaria a tese de que os Yamnaya eram guerreiros que atravessavam a Europa a cavalo ou dirigindo carros de guerra. Os cavalos foram recentemente domesticados nas estepes e a roda também foi uma invenção recente. Assim, poderiam ter se beneficiado da velocidade do movimento para as suas conquistas.

Mas a guerra não é a única explicação. De acordo com os pesquisadores, os Yamnayas também poderiam ter sido mais atraente para as mulheres locais do que os agricultores europeus porque eles tinham cavalos e novas tecnologias, como os machados de cobre que lhes deram uma vantagem...

O fato de terem migrado por várias gerações sugere que eles não retornaram às estepes. "O que poderia envolver um fator muito negativo nessas áreas, como epidemias ou doenças crônicas", de acordo com o arqueólogo David Anthony, do Hartwick College em Oneonta, Nova York, ou marcar o início de culturas que enviaram grupos de homens estabelecer colônias politicamente alinhadas em terras distantes, como o fizeram depois os romanos ou os vikings.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Pre-historia publicadas no site.

Cães com coleiras na pré-história!
23 de novembro de 2017

Cães com coleiras na pré-história!

Nas cenas de caça de dois locais de arte rupestre pré-neolíticos sauditas, dezenas de cães são gravados nas rocas em companhia do homem. Alguns são representados com uma coleira, enquanto outros ficam libres. Introspecções valiosas sobre a relação entre nossos ancestrais e os canídeos antes dos primórdios da agricultura. Em um artigo recentemente publicado no Journal …

Machado de cobre neolítico semelhante ao de Ötzi (Cantão de Zug, Suíça)
3 de outubro de 2017

Machado de cobre neolítico semelhante ao de Ötzi (Cantão de Zug, Suíça)

Em 2008, arqueólogos descobriram a lâmina de um machado de cobre de 5.000 anos em Riedmatt (ZG). As análises mostraram que ela vem do sul da Toscana. A sua forma e método de fabricação são uma reminiscência do machado de Ötzi. Especialistas do Serviço Arqueológico de Zug e da Universidade de Berna …

Um misterioso medalhão pré-histórico descoberto na Grécia poderia reescrever a história da arte grega!

Um misterioso medalhão pré-histórico descoberto na Grécia poderia reescrever a história da arte grega!

9 de novembro de 2017

É uma pedra aparentemente comum, de apenas 3,6 centímetros de comprimento, incorporada em uma camada de pedra calcária, encontrada em Pylos, na Grécia, no túmulo de um guerreiro da Idade do Bronze que remonta a 3500 anos. Entre todos os tesouros descobertos durante a escavação do excepcional túmulo de um príncipe guerreiro, essa pequena pedra finalmente provou ser a peça mais assombrosa de todo o material arqueológico descoberto em este sitio grego.

É somente depois de mais de um ano de pesquisa sobre o material arqueológico encontrado no túmulo que essa pequena pedra preciosa esculpida foi descoberta: uma pedra de ágata, usada para carimbar uma imagem sobre argila ou cera …