Nos passos dos primeiros canadenses

Por ND, 15 de novembro de 2017, referindo-se ao artigo de Gaëlle Lussiaà-Berdou (2017) para http://ici.radio-canada.ca/

Cinco principais linhagens genéticas estão associadas ao povoamento inicial das Américas

Click!A respeito da chegada dos primeiros humanos no continente norte-americano, novos resultados com o carbono 14 (para a dataçao alta), obtidos para as cavernas de Bluefish, no Yukon, publicados por pesquisadores canadenses e britânicos na revista PLoS One, fornecem mais esclarecimentos.

A equipe examinou 36 mil ossos de animais encontrados nos anos 70 e 80. Quinze desses ossos apresentam sinais claros de corte por meio de ferramentas. A datação pelo carbono 14 de alguns deles revela que esses cavalos e caribu foram cortados entre 12.000 e 24.000 anos atrás (BP). Assim, de acordo com os pesquisadores, já havia pessoas no norte do continente nesse período remoto.

No entanto, através de um outro estudo sobre o ritmo das mutações do DNA, comparando amostras antigas e mais recentes, foi possivel emitir a idéia de um (longo) período de parada em Beringia antes de uma difusão mais geral no continente americano, ou seja uma penetração do continente americano em duas etapas (para os primeiros a chegar).

Ao comparar esse DNA antigo com o dos povos indígenas atuais, os pesquisadores estabeleceram que os povos indígenas das Américas pertencem a cinco grandes linhas dispersas em todo o território, todas originadas de uma mesma origem.

"Todas as linhagens presentes nas populaçoes indígenas nas Américas são originadas de linhagens ancestrais que a gente encontra na Ásia.

Parece que eles apareceram dentro de uma população de origem que divergiu de uma população asiática ancestral que, depois, se dispersou principalmente na América ", explica Dennis O'Rourke, antropólogo geneticista.

Os resultados apontam para o norte para localizar esta famosa população de origem. Alguns milhares de pessoas, que poderiam ter chegado em Beringia há mais de 20 mil anos.

"Alguns grupos que viveram na ponte terrestre quando a glaciação atingiu seu pico [há quase 30 mil anos atrás] ficaram lá. Havia abrigos climáticos ", diz Dennis O'Rourke. "Essas populações foram isoladas nestes abrigos por milhares de anos.

"Foi então que uma diferenciação genética das populações das quais eles eram originalmente parte poderia ter ocorrido para permitir o surgimento de um genoma americano. "

Em seguida, há 12.000 anos (BP), os primeiros grupos de nômades chegam aos Andes ao sul, enquanto outros grupos, pertencentes à cultura Clovis, se aventuram pela primeira vez em Quebec, na costa atlântica...

Na verdade, há 12.000 anos, no final do último período glacial, o sul do Quebec acabava de ser libertado das geleiras que ainda abrangiam a maior parte do Canadá. O gelo derretido abriu um corredor a leste das Montanhas Rochosas, permitindo que os primeiros "Quebecistas" entram na região, provavelmente para explorar os recursos naturais do meio ambiente. Neste mundo de tundra, os rebanhos provavelmente passaram pela região a caminho de suas terras de inverno mais ao sul.

Foi em 2003 que os primeiros índices de uma ocupação de 12 mil anos (BP).no Québec foram encontrados.

O piso continha ferramentas de pedra lascada típicas: pontas de flechas com ranhuras. Esses objetos foram fabricados de uma maneira que os associa à cultura Clovis. Uma cultura pré-histórica que leva o seu nome da cidade de Clovis, no Novo México, onde este tipo de pontas foi descoberto pela primeira vez na década de 1930.

Essas pontas finamente lascadas mostram habilidades notáveis. A de um povo de caçadores, provavelmente veio para a região do Lago Mégantic para caçar o caribu. As pontas com ranhuras, fixadas em lanças, eram de fato ferramentas bem adaptadas a essa caçada.

Mas para Claude Chapdelaine, arqueóloga, esta forma de lascar pedra, nascida no oeste do continente, representa muito mais.

"Esta tradição vai durar mais de 1000 anos e será preservada por todos aqueles que migrarão para o leste e o sul. Será um tipo de fabricaçao continental, do oeste americano à Nova Escócia, à Flórida e até ao Panamá. "

"Foi um desejo de manter essa tradição e é por isso que a considero como uma ferramenta de identidade, mais do que funcional", continua Claude Chapdelaine. As pontas ranhuradas trazem o surgimento da cultura Clovis em torno de 13.200 anos antes dos nossos dias; elas foram encontradas em toda a América do Norte e na América Central.

Consulte em contexto aqui

E também em contexto aqui

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Primeiros hominídeos publicadas no site.

Será que o homo sapiens tem 400.000 anos?
8 de janeiro de 2018

Será que o homo sapiens tem 400.000 anos?

Em Israel, arqueólogos descobriram oito dentes que parecem pertencer ao Homo sapiens em uma camada datada de 200 mil a 400 mil anos atrás. No entanto, os fósseis humanos mais antigos encontrados até agora remontam a 200 mil anos e são encontrados na África Oriental (ndlr: 300 mil anos agora em Jebel Irhoud em Marrocos!)... Durante vários anos, uma equipe de …

Será que o crânio de Dali corresponde a um Homo sapiens de 260.000 anos?
20 de novembro de 2017

Será que o crânio de Dali corresponde a um Homo sapiens de 260.000 anos?

Um cientista chinês tenta novamente deslocar o berço da humanidade para a China... Em 1978, equipes chinesas encontraram um crânio a 30 km ao norte da cidade de Dali, na província de Shaanxi, no centro da China. O crânio seria datado entre - 267 e - 258.000 anos atrás. Devido a cumes supra-orbitais …

O povoamento da América provavelmente não foi feito pelo Estreito de Bering
6 de novembro de 2017

O povoamento da América provavelmente não foi feito pelo Estreito de Bering

A questão do estreito de Bering como lugar de cruzamento dos primeiros humanos para o continente norte-americano é hoje mais e mais contestada, e em fase mesmo de ser abandonada... De fato, para alguns especialistas eminentes do povoamento da América, os primeiros colonos chegaram …

Os Neandertais sobreviveram pelo menos 3.000 anos mais na Espanha do que se pensava anteriormente

Os Neandertais sobreviveram pelo menos 3.000 anos mais na Espanha do que se pensava anteriormente

27 de novembro de 2017

Muito próximo de nós, Neandertal desaparece misteriosamente no norte da Espanha e no sul da França em torno de 40.000 BP, suplantado por um primo que provavelmente chegou do Oriente Médio dez mil anos antes: o homem de Cro-Magnon (a partir do nome de uma caverna, em Dordogne, França, onde seus primeiros ossos foram descobertos em 1868).

Os Neandertais, no entanto, sobreviveram ao menos 3.000 anos mais do que pensávamos no sul da Península Ibérica, muito mais depois da sua morte em qualquer outro lugar, de acordo com um novo estudo publicado na internet (em acesso aberto). Os cientistas não conseguiram desenvolver uma teoria comum explicando por que essa espécie de hominídeos, mais próxima de nós, desapareceu da Terra há milhares de anos, mas, por outro lado …