O que os macacos-prego podem nos dizer sobre a pré-história?

Por ND, 15 de novembro de 2017, referindo-se ao artigo de Fabiano Vieira (29/11/16) para https://darwinianas.com/

Lascas produzidas pelos macacos-prego. Fonte: Nature, 2016

Em estudo recente publicado na revista Nature, pesquisadores do projeto interdisciplinar Primate Archaeology observaram macacos-prego da espécie Sapajus libidinosus deliberadamente quebrando pedras e não intencionalmente produzindo lascas que apresentam diversas características daquelas produzidas pelos primeiros hominíneos da idade da pedra.

Diferentemente dos hominíneos, que faziam intencionalmente ferramentas de pedra lascada para cortar ou raspar, as lascas produzidas pelos macacos-prego parecem, segundo hipótese dos pesquisadores, ser uma espécie de subproduto do martelamento (pedra com pedra) realizado para extrair minerais ou líquens que servem de nutrientes na dieta desses macacos.

Os macacos-prego do parque e outras populações da mesma espécie do cerrado e da caatinga, juntamente com chimpanzés do oeste africano e macacos-caranguejeiros da Tailândia, são os únicos primatas conhecidos pelo uso de ferramentas líticas. Por exemplo, outro estudo recente com esses primatas também mostrou, através de escavações, que o uso de ferramentas para quebrar castanhas é dominado por esses macacos há mais de 700 anos. Porém, o caso aqui é diferente, a não intencionalidade, o não uso e a semelhança com as ferramentas dos primeiros hominíneos são surpreendentes.

Alguns artefatos são indistinguíveis de alguns exemplares arqueológicos de lascas intencionalmente fabricadas pelos primeiros hominíneos, aponta o estudo. “Nenhum outro primata foi descrito produzindo naturalmente esse tipo de lasca, e essa descoberta mostra que mesmo sem intenção, esse tipo de material poderia ser produzido”, explica Tiago Falótico, da Universidade de São Paulo.

As descobertas abrem também a perspectiva de um novo modelo para explicar como teria sido a produção inicial desses tipos de lascas pelos hominíneos durante o período paleolítico, segundo Falótico: “acidental a princípio, seguida de descoberta do uso das lascas e, finalmente, produção proposital e uso”.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Primeiros hominídeos publicadas no site.

Será que o homo sapiens tem 400.000 anos?
8 de janeiro de 2018

Será que o homo sapiens tem 400.000 anos?

Em Israel, arqueólogos descobriram oito dentes que parecem pertencer ao Homo sapiens em uma camada datada de 200 mil a 400 mil anos atrás. No entanto, os fósseis humanos mais antigos encontrados até agora remontam a 200 mil anos e são encontrados na África Oriental (ndlr: 300 mil anos agora em Jebel Irhoud em Marrocos!)... Durante vários anos, uma equipe de …

Será que o crânio de Dali corresponde a um Homo sapiens de 260.000 anos?
20 de novembro de 2017

Será que o crânio de Dali corresponde a um Homo sapiens de 260.000 anos?

Um cientista chinês tenta novamente deslocar o berço da humanidade para a China... Em 1978, equipes chinesas encontraram um crânio a 30 km ao norte da cidade de Dali, na província de Shaanxi, no centro da China. O crânio seria datado entre - 267 e - 258.000 anos atrás. Devido a cumes supra-orbitais …

O povoamento da América provavelmente não foi feito pelo Estreito de Bering
6 de novembro de 2017

O povoamento da América provavelmente não foi feito pelo Estreito de Bering

A questão do estreito de Bering como lugar de cruzamento dos primeiros humanos para o continente norte-americano é hoje mais e mais contestada, e em fase mesmo de ser abandonada... De fato, para alguns especialistas eminentes do povoamento da América, os primeiros colonos chegaram …

Os Neandertais sobreviveram pelo menos 3.000 anos mais na Espanha do que se pensava anteriormente

Os Neandertais sobreviveram pelo menos 3.000 anos mais na Espanha do que se pensava anteriormente

27 de novembro de 2017

Muito próximo de nós, Neandertal desaparece misteriosamente no norte da Espanha e no sul da França em torno de 40.000 BP, suplantado por um primo que provavelmente chegou do Oriente Médio dez mil anos antes: o homem de Cro-Magnon (a partir do nome de uma caverna, em Dordogne, França, onde seus primeiros ossos foram descobertos em 1868).

Os Neandertais, no entanto, sobreviveram ao menos 3.000 anos mais do que pensávamos no sul da Península Ibérica, muito mais depois da sua morte em qualquer outro lugar, de acordo com um novo estudo publicado na internet (em acesso aberto). Os cientistas não conseguiram desenvolver uma teoria comum explicando por que essa espécie de hominídeos, mais próxima de nós, desapareceu da Terra há milhares de anos, mas, por outro lado …