Selam, a criança mais velha do mundo reescreve a história da nossa espinha

Por ND, 15 de novembro de 2017, referindo-se ao artigo de Brice Louvet (25/05/17) para https://sciencepost.fr/

Selamet, o Australopithecus afarensis

Click!Descoberto em meados dos anos 2000 em Dikika, nas margens do rio Awash (Etiópia), o esqueleto é o de uma criança chamada Selamet provavelmente com idade de dois ou três anos no momento da sua morte. Descoberto enterrado dentro de um bloco de arenito, os restos fossilizados foram incrivelmente bem preservados, mas como os ossos são muito frágeis, levou mais de treze anos para o paleontólogo Zeresenay Alemseged para removê-los completamente sem danificá-los.

Os ossos deste pequeno Australopithecus afarensis são realmente muito valiosos, uma vez que representam o único exemplo conhecido de espinha deste período antigo. O pescoço e a caixa torácica também foram encontrados. O estudo faz com que seja possível obter uma ideia bastante precisa do modo de locomoção e de crescimento dos australopitecos.

O esqueleto parece ter sido composto por doze vértebras torácicas e doze pares de costelas como os seres humanos, em vez de treze com os macacos africanos. Os pesquisadores também viram um elo fundamental na evolução da espinha dos primatas para os seres humanos quando os primeiros hominídeos começaram a ter uma postura mais reta. Durante este processo, os humanos começaram a ter menos vértebras na parte superior das costas e mais na parte inferior para permitir modelos de ambulaçao mais eficazes.

"Um estudo cuidadoso do esqueleto de Selam mostra que a estrutura geral da coluna vertebral humana surgiu há mais de 3 milhões de anos, destacando uma característica da evolução humana", disse Zeresenay Alemseged. Note também que a forma de seus pés, de seus joelhos e dos ossos das suas pernas como a posição do "forame magno" (através do qual a medula espinhal se junta com o cérebro) fazem pensar que Selam podia andar na posição vertical. Suas falanges e as suas omoplatas se assemelham em contraste com aqueles de jovens gorilas, sugerindo que ela era uma boa escaladora. Isso provavelmente lhe permitiu se refugiar nas árvores quando estava em perigo.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Primeiros hominídeos publicadas no site.

Será que o homo sapiens tem 400.000 anos?
8 de janeiro de 2018

Será que o homo sapiens tem 400.000 anos?

Em Israel, arqueólogos descobriram oito dentes que parecem pertencer ao Homo sapiens em uma camada datada de 200 mil a 400 mil anos atrás. No entanto, os fósseis humanos mais antigos encontrados até agora remontam a 200 mil anos e são encontrados na África Oriental (ndlr: 300 mil anos agora em Jebel Irhoud em Marrocos!)... Durante vários anos, uma equipe de …

Será que o crânio de Dali corresponde a um Homo sapiens de 260.000 anos?
20 de novembro de 2017

Será que o crânio de Dali corresponde a um Homo sapiens de 260.000 anos?

Um cientista chinês tenta novamente deslocar o berço da humanidade para a China... Em 1978, equipes chinesas encontraram um crânio a 30 km ao norte da cidade de Dali, na província de Shaanxi, no centro da China. O crânio seria datado entre - 267 e - 258.000 anos atrás. Devido a cumes supra-orbitais …

O povoamento da América provavelmente não foi feito pelo Estreito de Bering
6 de novembro de 2017

O povoamento da América provavelmente não foi feito pelo Estreito de Bering

A questão do estreito de Bering como lugar de cruzamento dos primeiros humanos para o continente norte-americano é hoje mais e mais contestada, e em fase mesmo de ser abandonada... De fato, para alguns especialistas eminentes do povoamento da América, os primeiros colonos chegaram …

Os Neandertais sobreviveram pelo menos 3.000 anos mais na Espanha do que se pensava anteriormente

Os Neandertais sobreviveram pelo menos 3.000 anos mais na Espanha do que se pensava anteriormente

27 de novembro de 2017

Muito próximo de nós, Neandertal desaparece misteriosamente no norte da Espanha e no sul da França em torno de 40.000 BP, suplantado por um primo que provavelmente chegou do Oriente Médio dez mil anos antes: o homem de Cro-Magnon (a partir do nome de uma caverna, em Dordogne, França, onde seus primeiros ossos foram descobertos em 1868).

Os Neandertais, no entanto, sobreviveram ao menos 3.000 anos mais do que pensávamos no sul da Península Ibérica, muito mais depois da sua morte em qualquer outro lugar, de acordo com um novo estudo publicado na internet (em acesso aberto). Os cientistas não conseguiram desenvolver uma teoria comum explicando por que essa espécie de hominídeos, mais próxima de nós, desapareceu da Terra há milhares de anos, mas, por outro lado …