Seres humanos ja viviam na Colúmbia Britânica ha 14.000 anos atras

De Nicolas Drouvot, 20 de outubro de 2018, referindo-se à noticia de Radio-Canada (4/04/17) no site https://ici.radio-canada.ca
bem como à noticia de Hemley Gonzalez (6/10/18) no site https://unitedhumanists.com

Nação Heiltsuk em Bella Bella, 2015

Nação Heiltsuk em Bella Bella, 2015 - Darryl Dyck/CP

Membros da equipe de arqueologia, da esquerda para a direita, John Maxwell, Alisha Gauvreau e Seonaid Duffield em um local de escavação

Membros da equipe de arqueologia, da esquerda para a direita, John Maxwell, Alisha Gauvreau e Seonaid Duffield em um local de escavação - Foto: Joanne McSporran

Nos locais das escavações, os pesquisadores encontraram ganchos, lanças e ferramentas para acender fogueiras

Nos locais das escavações, os pesquisadores encontraram ganchos, lanças e ferramentas para acender fogueiras.

Click!A descoberta de uma antiga aldeia de 14 mil anos no Canadá poderia mudar para sempre nossa compreensão da primeira civilização na América do Norte.

Os pesquisadores acreditam que o assentamento é muito mais antigo que as Pirâmides de Gizé e eles descobriram artefatos que datam da Era do Gelo. A vila é um dos mais antigos assentamentos humanos que já descobrimos na América do Norte - e se alinha com a história oral da Nação de Heiltsuk.

De fato, pesquisadores do Instituto Hakai e da Universidade de Victoria, associados com membros das Primeiras Nações da região, descobriram artefatos reveladores na ilha de Triquet, a cerca de 310 km a noroeste de Victoria, no Canadá. Eles encontraram ganchos, lanças e ferramentas para acender fogueiras.

Assim, os arqueólogos da Universidade de Victoria confirmam a presença humana a partir de 14.000 anos nos territórios da Primeira Nação Heiltsuk, no litoral da Colúmbia Britânica, a partir de testes realizados sobre fragmentos encontrados no sítio arqueológico da Ilha Triquet.

Com a descoberta da antiga aldeia em 2017, os pesquisadores acreditam agora que uma migração humana maciça poderia ter ocorrido ao longo da costa da Columbia Britânica.

A hipótese de migração ao longo da costa ocidental do Canadá com uma cultura marítima e costeira comparável a aquela do povo Inuit, seria a mais provável para este período.

Os arqueólogos primeiro pensaram que os humanos haviam chegado na América do Norte por uma ponte de terra entre a Rússia e o Alasca. Mas a recente descoberta sugere que as pessoas se mudaram ao longo da costa, eventualmente em barcos; o itinerário costeiro provavelmente teria vindo antes do itinerário do interior.

Nesses últimos anos é, em qualquer caso, a direção seguida pelas novas investigações. E novas descobertas começam agora a dar mais consistência a esta segunda hipótese de um deslocamento por embarcações...

As indicações para corroborar a teoria do deslocamento por embarcações são particularmente difíceis de encontrar porque o nível do oceano subiu cerca de 66 metros desde então, submergindo a maioria das primeiras áreas de habitações costeiras.

"Esta descoberta (...) muda a história um pouco e a maneira como achamos que o primeiro povoamento chegou ", disse uma das pesquisadoras, Alisha Gauvreau, estudante de doutorado em arqueologia na Universidade de Victoria, que fazia parte das escavações.

De fato, este grupo humano formava em torno de 14 mil anos atrás, um povo marítimo, como ainda existe hoje, mas caçando o leão marinho e pescando o arenque. " Estas pessoas eram capazes de viajar de barco. Do nosso ponto de vista, parece que elas eram caçadoras de mamíferos marinhos ", diz Alisha Gauvreau. "Eu lembro que quando recebemos as datas, dissemos: é muito antigo! Isso nos faz mudar nossa ideia de como a América do Norte foi povoada pela primeira vez ".

Esta descoberta está perfeitamente de acordo com a História oral da primeira nação de Heiltsuk, na costa central da Colúmbia Britânica. Por gerações, eles contam histórias de antigas aldeias costeiras. William Housty, da Nação de Heiltsuk, disse à CTV News Vancouver Island: "Pensar como essas histórias chegaram até nós e ver que agora elas são apoiadas por evidências arqueológicas é simplesmente incrível. "

[Sobre este assunto, veja também a noticia: Os restos de uma criança do Alasca contam a história dos primeiros americanos]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Primeiros hominídeos publicadas no site.

O clima mudou drasticamente no final da última era glacial
3 de outobro de 2018

O clima mudou drasticamente no final da última era glacial

Análises de alta resolução dos núcleos de gelo da Groenlândia revelam que o clima mudou drasticamente em poucos anos, no final da última era glacial, há cerca de 10 mil anos. Isto é mostrado pela equipe internacional que analisou os núcleos de perfuração profunda NorthGRIP, para o qual …

6 de outubro de 2018

Uma faca de osso de 90.000 anos sugere que ferramentas especializadas surgiram cedo na África

Uma faca de osso de 90.000 anos sugere que ferramentas especializadas surgiram cedo na África

Arqueólogos encontraram a ferramenta em uma caverna costeira em Marrocos. A Idade da Pedra na África também era uma Idade do Osso.

Segundo os cientistas, os antigos africanos empurraram as ferramentas de ossos para um nível mais alto, cerca de 90.000 anos atrás, fazendo facas afiadas a partir das costelas dos animais. Anteriormente, as ferramentas ósseas serviam como dispositivos de corte mais simples e versáteis.

Os membros da cultura ateriana do norte da África, nascida há cerca de 145 mil anos, começaram a fabricar facas afiadas, à medida que peixes e outros frutos do mar se tornavam cada vez mais alimentos básicos, sugeriram os pesquisadores em 3 de outubro em PLOS ONE. Essa nova descoberta apoia a visão de que o planejamento estratégico para a sobrevivência e as mudanças na fabricação de ferramentas surgiram muito antes na evolução humana do que tradicionalmente se supunha. As escavações na caverna Dar es-Soltan 1, perto da costa atlântica do Marrocos, trouxeram à luz …