Um sítio pré-histórico muito importante de 500 mil anos descoberto em Israel

Por ND, 11 de janeiro de 2018, referindo-se ao artigo de Emma Hollen (9/01/18) para http://www.maxisciences.com/
bem como ao artigo de Ariel David (8/01/18) para https://www.haaretz.com/

Uma visão de um local pré-histórico ao ar livre de meio milhão de anos encontrado em Jaljulia, durante uma escavação de salvamento

Uma visão de um local pré-histórico ao ar livre de meio milhão de anos encontrado em Jaljulia, durante uma escavação de salvamento / Foto: Ariel David

Machados de mão acheulense encontrados no site pré-histórico em Jaljulia

Machados de mão acheulense encontrados no site pré-histórico em Jaljulia: estes eram muito mais fáceis de fazer do que as ferramentas mais complexas de Levallois / Ariel David

Click!Em Israel, arqueólogos acabaram de descobrir um sítio pré-histórico que remonta a 500 mil anos em Jaljulia, perto de Tel Aviv, entregando várias centenas de objetos testemunhando a passagem do Homo erectus.

O sítio também revelou que o Homo erectus era capaz de produzir ferramentas de sílex com a técnica Levallois, o que a gente pensava ter sido desenvolvida só por hominídeos mais avançados, Neandertais e Homo sapiens.

Iniciadas em 2017 como parte de um projeto de construção, as escavações no sitio da Jaljulia revelaram uma paisagem "incrivelmente preservada", de acordo com Ran Barkai, diretor do Departamento de Arqueologia da universidade de Tel Aviv.

Localizado perto de uma das estradas mais movimentadas de Israel, o sitio parece ter sido um paraíso para os caçadores-coletores há 500 mil anos atrás. "Esta descoberta é incrível tanto por causa do estado de preservação das peças quanto por suas implicações para o conhecimento desta antiga cultura material", disse Maayan Shemer, diretora das escavações para a Autoridade de Antiguidades de Israel ( AAI).

O sitio sugere que a presença de um córrego, a vegetação e a presença abundante de animais tornaram-no um lugar frequentemente visitado por nosso antepassado, Homo erectus (o hominídeo mais provável de ter vivido nesta área na época). "A água carregava nódulos de sílex das colinas, que foram usados no local para fazer ferramentas. A água também atraiu animais que foram caçados e abatidos aqui - tudo o que os homens pré-históricos precisavam estava aqui" disse Ran Barkai.

Várias centenas de cabeças de machado foram descobertas no coração deste paraíso natural. Esses traços de uma importante atividade lítica permitiram que os cientistas os relacionassem com a cultura acheulense, associada ao Homo erectus e aos primeiros Homo sapiens. Estabelecida durante o Paleolítico inferior (entre 200.000 e 1,5 milhões de anos antes da nossa era), esta cultura material tem seus sinais distintivos. O artesanato acheulense é caracterizado pela produção de bifaces ovais ou em forma de pera.

A datação dos machados de mão acheulense permitiu no passado rastrear os fluxos de migração humana da África para a Ásia ou a Europa. Os cientistas pensam que foram usados tanto para cavar a terra como para esfolar e cortar animais.

Muitos dos objetos encontrados em Jaljulia são ferramentas pré-históricas bifaces típicas que foram produzidas para qualquer uso por mais de um milhão de anos em todo o mundo pré-histórico, com mudanças mínimas.

Porém, aqui, misturado entre a multidão de bifaces, os arqueólogos também encontraram ferramentas de sílex produzidas usando uma outra técnica muito mais complexa. Este método, conhecido como técnica Levallois, requer muito mais trabalho e um planejamento avançado, diz Barkai.

A técnica Levallois por muito tempo tem sido desenvolvida por hominídeos mais avançados, neandertais e homo sapiens, e foi o resultado de um salto decisivo em nossa evolução biológica e tecnológica.

Mas em Jaljulia - bem como com outras descobertas recentes de sítios similares na Ásia, Europa e África - a técnica é demais antiga para ser atribuída a humanos anatomicamente modernos, de acordo com Barkai.

Tais descobertas provavelmente alimentarão o debate sobre questões que estão no centro da pesquisa pré-histórica: quando é que a gente parou de ser macacos para nos tornar humanos? O que nos torna humanos e como adquirimos essas qualidades quase inefáveis? E isso aconteceu graça a evolução biológica ou ao desenvolvimento cultural?

As habilidades cognitivas avançadas necessárias para fabricar essas ferramentas seriam mesmo anteriores ao uso controlado do fogo. De acordo com Barkai, pode haver provas de uso de fogo esporádico em Jaljulia, mas a primeira prova de um incêndio sustentado e controlado foi encontrada na caverna de Qesem, a menos de 10 quilômetros de distância - mas datada de 100.000 anos depois.

A forte atividade cujo Jaljulia é o testemunho tende a confirmar que nossos ancestrais tinham uma memória espacial deste lugar e, portanto, podiam retornar lá sazonalmente. Apenas dois outros sítios da mesma idade foram descobertos até agora em Israel: dentro do kibutz chamado Eyal, 5 km ao norte, e o outro, um pouco mais recente, a 5 km ao sul, na caverna de Qesem.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Pre-historia publicadas no site.

Os restos de uma criança do Alasca contam a história dos primeiros americanos
5 de janeiro de 2018

Os restos de uma criança do Alasca contam a história dos primeiros americanos

Uma análise do DNA nos ossos fossilizados de um bebê encontrado no Alasca, nos EUA, revela a existência de uma população antiga anteriormente desconhecida na América. Os resultados são publicados na revista Nature e apresentam possíveis respostas a uma série de questões de longa data sobre …

19 de dezembro de 2017

Arqueólogos decifraram pedras que datam de 3200 anos contando a história da invasão de um misterioso povo do mar

Arqueólogos decifraram pedras que datam de 3200 anos contando a história da invasão de um misterioso povo do mar

Os pesquisadores dizem que os escritos antigos poderiam fornecer uma resposta para "um dos maiores enigmas da arqueologia do Mediterrâneo".

O friso de pedra calcária de 35 cm de altura e 10 metros de comprimento, encontrado em 1878, na aldeia de Beyköy, a 34 quilômetros ao norte de Afyonkarahisar, no que é hoje a Turquia moderna, tem a mais longa inscrição jeroglífica conhecida da Idade do Bronze. Apenas um punhado de estudiosos do mundo pode ler a sua antiga língua luwiana. O arqueólogo francês George Perrot copiou a inscrição antes que a pedra fosse usada pelos aldeões como material de construção para a fundação de uma mesquita. A cópia foi redescoberta na posse do pré-historiador inglês James Mellaart após sua morte em 2012 e foi entregue por seu filho ao Dr. Eberhard Zangger, presidente da Fundação dos Estudos …