A agricultura saariana há 10.000 anos confirmada por pesquisadores

Traduzido por ND, 6 de junho de 2018, referindo-se ao artigo de agroecologique.blogspot.com do 5/06/18 para http://agroecologique.blogspot.com

Abrigo rochoso de Takarkori

Abrigo rochoso de Takarkori. Foto: Universidade de Huddersfield.

Os maciços do Saara central

Os maciços do Saara central.

Click!Ao analisar um sítio pré-histórico no deserto da Líbia, uma equipe de pesquisadores das universidades de Huddersfield, Roma, Modena e Reggio Emilia, conseguiu estabelecer que as populações saarianas na África cultivavam e armazenavam grãos selvagens há 10.000 anos.

Além das revelações sobre essas antigas práticas agrícolas, poderia haver uma lição a ser aprendida para o futuro, se o aquecimento global levar à necessidade de culturas alternativas.

A importância da descoberta nasceu de uma colaboração oficial bem estabelecida entre a Universidade de Huddersfield, a Universidade de Modena e de Reggio Emilia.

A equipe estudou o local de um antigo abrigo de rochas no local de Takarkori, no sudoeste da Líbia.

É um deserto hoje, porém mais cedo no período do Holoceno (nossa epoca atual), há quase 10.000 anos atrás, este lugar fazia parte do "Saara Verde" onde os cereais selvagens cresciam.

Mais de 200.000 sementes, em pequenas concentrações circulares, foram encontradas em Takarkori, mostrando que os caçadores-coletores desenvolveram uma forma inicial de agricultura colhendo e conservando as culturas.

Havia, no entanto, a possibilidade de que as formigas, capazes de mover as sementes, fossem responsáveis por essas concentrações.

Assim, o Dr. Stefano Vanin, palestrante em Biologia Forense da Universidade de Huddersfield e um entomologista líder nos campos forenses e arqueológicos, analisou um grande número de amostras, que agora são armazenadas na Universidade de Modena e de Reggio Emilia.

Suas observações permitiram que ele demonstrasse que os insetos não eram responsáveis, o que apoia a hipótese de uma atividade humana de coletar e armazenar sementes.

As investigações em Takarkori forneceram a primeira evidência conhecida de armazenamento e cultivo de grãos de cereais na África.

O local forneceu outras descobertas, incluindo restos de uma cesta, tecida a partir de raízes, que poderia ser usada para coletar as sementes.

Além disso, análises químicas de peças de cerâmica do local mostraram que sopas de cereais bem como queijo foram produzidos.

Um novo artigo descrevendo as últimas descobertas e lições aprendidas foi publicado na revista Nature Plants. Intitulado "Plant behaviour from human imprints and the cultivation of wild cereals in Holocene Sahara" (Comportamento de plantas a partir de impressões humanas e o cultivo de cereais silvestres no Sahara Holoceno), é co-escrito por Anna Maria Mercuri, Rita Fornaciari, Marina Gallinaro, Savino di Lernia e Dr. Vanin.

Uma das conclusões do artigo é que, embora os cereais selvagens colhidos pelas populações Holocênicas no Saara sejam definidos como "sementes" em termos agrícolas modernos, eles podem ser um alimento importante no futuro.

"O mesmo comportamento que permitiu que essas plantas sobrevivessem em um ambiente em mudança no passado distante faz delas as candidatas mais prováveis como base de recursos no futuro próximo de aquecimento global.

Elas continuam a ser exploradas e cultivadas com sucesso hoje na África e atraem o interesse de cientistas que buscam novos recursos alimentares ", dizem os autores.

As pesquisas baseadas em descobertas em Takarkori continuam. O Dr. Vanin supervisiona a estudante de doutorado Jennifer Pradelli, que analisa traços e restos de insetos para aprender mais sobre a evolução da reprodução animal no local.

Link para o artigo científico: Nature Plants, volume 4, pages 71–81 (2018).

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria pre-historia publicadas no site.

A agricultura saariana há 10.000 anos confirmada por pesquisadores
6 de junho de 2018

A agricultura saariana há 10.000 anos confirmada por pesquisadores

Ao analisar um sítio pré-histórico no deserto da Líbia, uma equipe de pesquisadores das universidades de Huddersfield, Roma, Modena e Reggio Emilia, conseguiu estabelecer que as populações saarianas na África cultivavam e armazenavam grãos selvagens há 10.000 anos. …

Quando havia no mundo apenas um homem para 17 mulheres
6 de junho de 2018

Quando havia no mundo apenas um homem para 17 mulheres

Guerras de clãs causaram o chamado gargalo do cromossomo Y no Neolítico, um estranho colapso na diversidade genética masculina. Cerca de 7.000 anos atrás, algo estranho aconteceu com os homens. Algo de tal magnitude que, durante os dois milênios seguintes…

28 de abril de 2018

Evidência arqueológica de sacrifício humano na Grécia antiga

Evidência arqueológica de sacrifício humano na Grécia antiga

Uma rara descoberta de grande significado arqueológico foi feita no verão de 2016, durante escavações no Monte Lykaion, em Arcadia, quando os restos de um menino adolescente foram encontrados no que era um altar dedicado a Zeus. Embora as escavações estejam ocorrendo na Grécia há quase 150 anos, esta é a primeira vez que os arqueólogos descobrem uma prática raramente mencionada nos livros de história: o sacrifício de humanos aos deuses.

As contas de sacrifícios humanos são atestadas em muitos mitos antigos, na obra de Homero, e em alguns escritos de historiadores antigos, mas nenhuma descoberta arqueológica até então havia corroborado essas alegações. Em um comunicado, o Ministério da Cultura da Grécia confirmou …