Arqueólogos descobrem a biblioteca mais antiga da Alemanha

Tradução de Nicolas Drouvot, 20 de agosto de 2018, referindo-se à noticia de Somaya Aqad no site http://www.lefigaro.fr
bem como à noticia de Antoine Oury no site https://www.actualitte.com

Além do muro, ruínas conservam dois pequenos pedaços do chão da biblioteca.

Além do muro, ruínas conservam dois pequenos pedaços do chão da biblioteca.

Descoberta ocorreu durante obras no terreno

Descoberta ocorreu durante obras no terreno.

A biblioteca de Celso em Éfeso

A biblioteca de Celso em Éfeso.

Click!Escavações arqueológicas realizadas antes da construção de um local de culto protestante levaram à descoberta de um edifício romano com nichos intrigantes.

Segundo as últimas descobertas, seria uma biblioteca tendo abrigado quase 20.000 manuscritos.

Um dos mistérios de Colônia está sendo resolvido?

Escavações preventivas revelaram as fundações de um antigo prédio na Renânia do Norte-Vestefália no ano passado. Agora sabemos a natureza exata deste edifício romano. Os arqueólogos anunciaram que era uma biblioteca construída pelos Romanos entre 150 e 200 dC, ao sul do Fórum da cidade. As paredes foram descobertas pela primeira vez em 2017, durante uma escavação sob o terreno de um templo protestante no centro da cidade.

Os arqueólogos rapidamente estabeleceram a origem romana do edifício. Mas a presença nas paredes de cavidades medindo cerca de 80 cm por 50 cm surpreenderam os especialistas. "Os nichos eram pequenos demais para levar estátuas para dentro, pareciam mais uma espécie de armário de pergaminho", disse Dirk Schmitz, do Museu Romano-Germânico de Colônia. Se trata simplesmente das prateleiras do edifício. "Elas são muito peculiares a bibliotecas como aquela de Éfeso", acrescentou ele.

No momento em que Colônia prosperava economicamente, o centro da cidade foi construído em torno de lugares que cristalizavam a educação da época", diz Dirk Schmitz, diretor do Museu Arqueológico da cidade.

O edifício, mais modesto que a biblioteca de Éfeso, na Turquia, poderia conter quase 20.000 manuscritos. De acordo com Dirk Schmitz, o antigo prédio localizado no fórum do centro da cidade, de fato, era uma biblioteca pública, como evidencia o tipo de material usado para sua construção.

A biblioteca romana era, sem dúvida, dotada de dois andares de pergaminhos, com uma placa na frente de cada prateleira para descrever o conteúdo. Escalas podem ter sido usadas para acessar as alcovas superiores, mas um andar de madeira pode ter estado presente, mas destruído pelo tempo, dizem os arqueólogos.

Os especialistas estimam que a altura do prédio poderia ter sido de 7 a 9 metros, devido à espessura das fundações, mesmo que seja difícil imaginar como a biblioteca foi arranjada.

A poucos metros do edifício, a localização de uma estátua, provavelmente Minerva, deusa do saber e do conhecimento, mas também da guerra...

A congregação protestante planeja construir um estacionamento subterrâneo no local, garantindo o acesso aos restos para o público. As paredes serão preservadas e os três nichos permanecerão visíveis para os visitantes na adega do centro comunitário protestante atualmente em construção.

O Museu Romano-Germânico de Colônia é o lar de mais de 10 milhões de objetos encontrados em toda a cidade. Uma descoberta recente, durante a construção da rede de metrô, encontrou também um piso romano de carvalho antigo de 2000 anos.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Roma imperial publicadas no site.

29 de junho de 2018

Os gladiadores eram principalmente vegetarianos e bebiam bebidas energéticas baseadas em cinzas vegetais

Os gladiadores eram principalmente vegetarianos e bebiam bebidas energéticas baseadas em cinzas vegetais

Não, os gladiadores não engoliam quilos de carne crua antes de entrar na arena. Em todo caso, não aqueles que moravam em Éfeso. Um estudo recente, publicado no PLOS One nos dá algumas pistas sobre a dieta desses lutadores do Império Romano.

Pesquisadores em medicina forense das Universidades de Viena e Berna analisaram cuidadosamente os ossos extraídos de um cemitério de gladiadores, encontrados em 1993 no local da antiga cidade de Éfeso, hoje na Turquia. Esses homens viviam no século 2 ou 3: na época, Éfeso era a capital da província romana da Ásia e tinha cerca de 200.000 habitantes. Os esqueletos de 53 pessoas, incluindo 22 gladiadores, foram estudados, analisando as razões isotópicas de carbono …