Caça à baleia em grande escala no norte da Escandinávia remonta ao século VI d.C.

Traduzido por ND, 16 de junho de 2018, referindo-se ao artigo da UPPSALA UNIVERSITY (junho de 2018) para https://www.heritagedaily.com

Representação de uma caça à baleia na costa da Normandia em um manuscrito da Idade Média

Representação de uma caça à baleia na costa da Normandia em um manuscrito da Idade Média • Créditos: Radio France.

uma peça de jogo de tabuleiro feita de osso de baleia do final do século VI DC, encontrada em Gnistahögen perto de Uppsala, na Suécia

Na esquerda: uma peça de jogo de tabuleiro feita de osso de baleia do final do século VI DC, encontrada em Gnistahögen perto de Uppsala, na Suécia (fotografia de Bengt Backlund, Uppland County Museum). Direita: a estrutura óssea da peça de jogo em comparação com o osso de referência da baleia-anã (foto de Rudolf Gustavsson, Societas Archaeologica Upsaliensis, SAU). Crédito: Bengt Backlund / Rudolf Gustavsson.

A caça intensiva de baleias, que empurrou muitas espécies para a beira da extinção hoje, pode ser vários séculos mais velha do que se pensava anteriormente.

Essas alegações são apoiadas por arqueólogos de Uppsala e York cujos resultados são apresentados no European Journal of Archaeology.

As coleções dos museus na Suécia contêm milhares de peças de jogos de tabuleiro da Idade do Ferro. Novos estudos sobre a matéria-prima que os compõem mostram que a maioria era feita de osso de baleia a partir de meados do século VI. Elas foram produzidas em grandes quantidades e de maneira padronizada. Os pesquisadores acreditam que um fornecimento regular de osso de baleia é necessário. Dado que os produtores teriam dificuldade em encontrar carcaças de baleias encalhadas como fonte confiável, as peças do jogo são interpretadas como evidências da caça às baleias.

Além de uma investigação osteológica, a origem da espécie foi determinada para um pequeno número de peças, usando o ZooMS (abreviação de Zooarchaeology by Mass Spectrometer). O método mostra que todas as peças analisadas provêm da Baleia Franca do Atlântico Norte (Eubalaena glacialis), uma enorme baleia pesando entre 50 e 80 toneladas. Era uma baleia fácil de caçar: nadava lentamente, perto da costa, e continha tanta gordura que podia flutuar depois de ser morta.

Partes de peças ósseas de baleia aparecem ao mesmo tempo em que dispositivos de produção de gordura e grandes hangares para barcos estão proliferando no norte da Noruega. As peças do jogo provavelmente foram feitas nesta região, de onde foram transportadas para o sul e, eventualmente, usadas como oferendas funerárias na Suécia.

As origens da caça à baleia em larga escala no norte da Europa ficaram muito tempo misteriosas. Fontes escritas referem-se à caça de baleias em grande escala durante os períodos da Era Viking na Escandinávia. As sagas do século IX sobre o mercador norueguês Ohthere / Ottar (convidado e informante da corte do rei Alfredo, o Grande) mencionam sua extensa caça às grandes baleias, mas essas histórias muito tempo ficaram controversas como fontes factuais.

As peças de jogo não indicam apenas a caça às baleias. Para os arqueólogos, elas constituem um importante elemento de pesquisa sobre extensas redes de comércio precoce. Estes funcionaram bem vários séculos antes da formação das cidades na Era Viking.

O novo estudo, assim como vários outros estudos arqueológicos realizados nos últimos anos, mostra uma crescente exploração dos recursos marinhos e também dos recursos do interior do norte da Escandinávia. Em um estudo mais abrangente, os resultados também serão usados para estudar a influência dos seres humanos nos ecossistemas marinhos em relação às tendências populacionais das baleias, uma vez que agora sabemos que a caça às baleias em grande escala ocorreu mais cedo do que pensávamos anteriormente.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Idade Média publicadas no site.

8 de abril de 2018

Para navegar sem bússola, os vikings usavam cristais?

Para navegar sem bússola, os vikings usavam cristais?

Nas lendas nórdicas, às vezes falamos de "pedras do sol". Pesquisadores verificaram se tal objeto poderia ajudar a desafiar o mar.

Há mais de mil anos, os vikings percorriam os mares e o oceano Atlântico, navegando até a Islândia ou a Groenlândia. No entanto, naquela época, a Europa não sabia da existência da bússola, inventada pelos Chineses. Nós sabemos que eles usavam o sol para orientar-se. Mas quando o tempo estava nublado? Mistério. Em um estudo publicado em 4 de abril de 2018 na revista Royal Society, os pesquisadores acham que encontraram uma explicação. Os Escandinavos podem ter usado cristais muito particulares, mais exatamente calcitas. Este mineral permite determinar a posição do sol, mesmo quando está oculto pelas nuvens. Simplificando, digamos …