Devido à seca intensa, o "Stonehenge espanhol" saiu do chão

Traduzido do francês (e corregido) por Nicolas Drouvot, 13 de setembro de 2019, referindo-se à noticia de 'Le figaro.fr' (11/09/19) no site http://www.lefigaro.fr

Mapa da migração R1a, originaria da região do Cáucaso

O agrupamento de pedras que remonta a menos de 3.000 aC foi imerso em um lago. Neste verão, as temperaturas muito altas ressuscitaram este monumento que uma associação da região deseja preservar movendo-o (!)

O vídeo da associação ‘Raíces de Peraleda’: "Salvemos o Dólmen de Guadalperal"

Click!Descoberta surpreendente no oeste da Espanha. Após uma seca muito longa no território do município de Peraleda de la Mata (Estremadura), [o provável tumulo funerário] de Guadalperal emergiu da terra. É um conjunto de 140 pedras, muitas vezes chamado (de forma errada) de "Stonehenge espanhol", em referência ao famoso monumento megalítico localizado a 150 quilômetros a oeste de Londres.

Erguido entre 3000 e 2000 aC, o monumento de Guadalperal foi submerso durante a criação do lago de Valdecañas em 1963. Angel Castaño, morador de uma vila vizinha e presidente da associação cultural Raízes de Peradela, solicitou que as pedras sejam movidas (!) e protegidas para impedir que a consequente subida das águas as submergem novamente.

"Este é um dólmen (sic) megalítico de grande valor, acessível pela primeira vez e talvez pela última ... Nossa associação quer alertar as autoridades competentes para que, aproveitando a oportunidade, elas o salvem das águas, porque as pedras ainda estão bem preservadas, mas já mostram sinais muito óbvios de deterioração. Pode ser que na próxima vez que as condições permitam um resgate, já seja tarde demais ", diz Angel Castaño, da ABC.

"A pedra ainda está em boas condições, mas o granito é mais poroso, há rachaduras ... O mais importante é que havia um menir (sic) esculpido com uma cobra, e parece muito corroído ", acrescentou. O monumento consiste em uma câmara oval de cinco metros de diâmetro e um saguão de 21 metros de comprimento, de acordo com a mídia espanhola. O famoso menir esculpido estaria no final deste corredor.

[Nota importante do tradutor: o monumento obviamente não é um dólmen (que é um edifício que lembra uma mesa, protegendo um enterro, anteriormente coberto por um monte de enterro), nem um grupamento de menires (um menir é uma simples pedra ereta, plantada no chão), mas presumivelmente os restos de um túmulo megalítico!]

O governo regional da Estremadura já entrou em contato com a associação para agir. Descoberto em 1925 pelo padre alemão Hugo Obermaier, que conduziu as escavações até 1927 e recuperou itens para exibição em um museu em Munique, o dólmen de Guadalperal é agora visitado pelos moradores.

[Para mais detalhes sobre os acontecimentos do período de 3000 aC, veja aqui: "Linha do Tempo, 3000 aC"]

[Se você gostou deste artigo, poderá gostar também desta noticia sobre as descobertas de Valencina de la Concepción na Espanha. Os objetos encontrados em túmulos megalíticos que datam do terceiro milênio aC no sudoeste de Espanha revelam o alto grau de aperfeiçoamento alcançado pela indústria lítica nesse periodo na península ibérica, numa época em que a cultura megalítica ocidental entra gradualmente na Idade do Bronze...: Armas de cristal descobertas em uma tumba megalítica de 5000 anos na Espanha]

Ler o texto no seu contexto

Ultimas noticias

Outras noticias sobre a categoria Pre-historia [10000-1000] publicadas no site.

10 de dezembro de 2018

Uma máscara de pedra neolítica de mais de 9.000 anos descoberta ao sul de Hebron

Uma máscara de pedra neolítica de mais de 9.000 anos descoberta ao sul de Hebron

A Autoridade Arqueológica Israelense apresentou quarta-feira, 28 de novembro de 2018 em Jerusalém, uma rara máscara de pedra com cerca de nove mil anos e associada ao desenvolvimento do culto aos ancestrais coincidindo com a sedentarização dos homens. Essa rara descoberta foi recebida com entusiasmo …

15 de dezembro de 2018

A praga da peste presente na Europa mais cedo do que pensávamos

A praga da peste presente na Europa mais cedo do que pensávamos.

A cepa mais antiga de peste encontrada entre as populações agrícolas do Neolítico, há 4900 anos atrás, no sul da Suécia.

A peste tem uma longa história ... ainda mais do que pensávamos! Uma estirpe anteriormente desconhecida de Yersinia pestis, a bactéria que causa esta doença dramática, acabou de ser encontrada no material genético de uma mulher de 20 anos de idade (Gökhem2) que morreu na Suécia no período neolítico, há 4900 anos atrás. Bem como no material genético de um agricultor (Gökhem4) da mesma vala funerária de Frälsegården, em Falbygden, no sul do país. A descoberta ocorreu enquanto os pesquisadores analisavam os bancos de dados de antigo DNA de 1058 genomas humanos para entender melhor a história evolutiva dessa praga, relata um artigo publicado em 6 de dezembro de 2018 na revista Cell. A equipe internacional liderada por Simon Rasmussen (Universidade de …