Evidências arqueológicas indicam que a província de New Brunswick é o lugar mais provável da segunda colônia viking perdida

Por ND, 12 de março de 2018, referindo-se ao artigo de Owen Jarus (06/03/18) para https://www.livescience.com/

O único local Viking conhecido na América do Norte está localizado em L'anse aux Meadows, Newfoundland

O único local Viking conhecido na América do Norte está localizado em L'anse aux Meadows, Terra Nova. Foi declarado Património Mundial. Crédito: WendyCotie / Shutterstock

Esse fragmento de madeira pode ser um remendo de barco. Foi encontrado em L'Anse aux Meadows, o único assentamento Viking confirmado na América do Norte

Esse fragmento de madeira pode ser um remendo de barco. Foi encontrado em L'Anse aux Meadows, o único assentamento Viking confirmado na América do Norte. Os navios Viking provavelmente viajavam de L'Anse aux Meadows para Hop. Crédito: Owen Jarus

Os Vikings foram os primeiros europeus a chegar à América do Norte, aterrando no Novo Mundo séculos antes de Colombo e seus companheiros.

Pouco se sabe sobre as suas aventuras aqui, e por enquanto, o único estabelecimento norueguês confirmado em Vinland (no leste do Canadá) está em L'Anse aux Meadows na ponta norte de Terra Nova; mas os arqueólogos estariam a ponto de descobrir o segundo.

"Hóp", que significa "lagoa de maré", é um assentamento Viking lendário localizado no leste do Canadá. A maioria do que sabemos sobre isso vem das sagas nórdicas. De acordo com esses textos, é um lugar que permitiu o crescimento de uvas selvagens, forneceu abundantes suprimentos de salmão e foi a terra de uma população indígena que usava canoas com peles de animais.

Ao longo dos anos, vários lugares foram identificados como locais potenciais para esta instalação, incluindo Terra Nova, Ilha do Príncipe Eduardo, New Brunswick, Nova Scotia, Maine, Nova Inglaterra e Nova York.

Agora, Birgitta Wallace, uma arqueóloga proeminente do Parks Canada, que fez pesquisas extensas sobre os Vikings na América do Norte, comparou as descrições de "Hóp" dos textos noruegueses com as pesquisas arqueológicas em L'Anse aux Meadows e em vários outros lugares ameríndios da costa leste da América do Norte para determinar o lugar mais provável para essa colônia perdida. A região da baía de Miramichi-Chaleur, no nordeste de New Brunswick, no Canadá, seria o único lugar que corresponderia a essa descrição completa, disse Wallace.

"New Brunswick é o limite do norte para a vinha, que não é originária da Ilha do Príncipe Eduardo ou de Nova Scotia", disse ela, observando que nao tinham uvas também no Maine.

Evidências arqueológicas também sugerem que o salmão selvagem era abundante no leste de Nova Brunswick no momento, mas não em lugares amerindios pré-colombianos do Maine ou da Nova Inglaterra.

Com relação às pessoas da região da baía de Miramichi-Chaleur, o povo Mi'kmaq usou peles de animais para a construção naval. O povo Mi'kmaq usou também um salmão-totem como emblema espiritual, mostrando novamente a importância do salmão na região (antes da sobrepesca do século passado derrubar a população).

Além disso, os restos de nogueira branca, que são nativos de New Brunswick, foram encontrados em escavações em L'Anse aux Meadows, com pedaços de olmo branco, faia, cinza branca e a árvore Tsuga canadensis, todos presentes em New Brunswick. Isso sugere que os Vikings estabeleceram um acampamento, pelo menos por um curto período de tempo, na região de New Brunswick.

Então, qual é o próximo passo? Se Hóp for encontrado, seria o segundo assentamento Viking a ser descoberto na América do Norte após L'Anse aux Meadows na ponta norte de Terra Nova.

O lugar de Hóp no entanto, de acordo com Birgitta Wallace, pode não ser o nome de uma única instituição, mas sim uma área onde os Vikings puderam criar vários estabelecimentos de curta duração, cujos os locais precisos variavam de ano para ano. As histórias das viagens dos Vikings foram transmitidas oralmente antes de serem gravadas e "Hóp" pode ter sido mal interpretado como um único local quando poderia ter se referido a vários assentamentos sazonais.

Infelizmente, poderá não ser tão fácil encontrar o lugar em New Brunswick para confirmar a teoria de Wallace. Isso ocorre porque o acampamento pode ter sido temporário - provavelmente só usado por alguns meses durante o verão. Além disso, as sagas indicam que os Vikings de Hóp teriam se concentrado no fornecimento de madeira e alimentos nesta área, uma atividade que não deixaria vestígios significativos nos arquivos arqueológicos. No final do verão, os Vikings provavelmente trouxeram os restos daqueles que morreram na Groenlândia (a base dos Vikings na região), bem como todas as suas ferramentas, enquanto materiais como madeira e alimentos biodegradáveis rápidos provavelmente foram perdidos para a arqueologia para sempre.

Ainda assim, "espero que todos os arqueólogos que trabalham neste campo manterão os olhos abertos no caso de encontrarem algo que não se enquadre nos padrões culturais que eles propõem explorar", disse Wallace à Live Science.

As pesquisas de Wallace foram publicadas com mais detalhes recentemente na revista History of Canada.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Idade Média [500-1500] publicadas no site.

A Era Viking teria começado na Dinamarca
12 de março de 2018

A Era Viking teria começado na Dinamarca

Os Vikings desenvolveram seus conhecimentos marítimos navegando entre a Dinamarca e a Noruega. A navegação marítima era importante para eles, e suas longas viagens no mar eram únicas para o seu tempo. Três arqueólogos da Universidade de Aarhus (Dinamarca) e da Universidade de York (Inglaterra) mostraram que as viagens marítimas norueguesas para Ribe, o centro …

Um pente de 1000 anos narra o começo do alfabeto viking
12 de março de 2018

Um pente de 1000 anos narra o começo do alfabeto viking

Um pente de mil anos recentemente descoberto na Dinamarca, com a palavra "pente" inscrita nele, poderia ser uma pista valiosa para a origem do alfabeto viking. Sem dúvida, ninguém tem sido tão exaltado pela descoberta de um pente como o arqueólogo dinamarquês Søren Sindbæk. Ele e sua equipe de …

Descoberta de uma cidade maia de mais de 2000 km² na Guatemala

Descoberta de uma cidade maia de mais de 2000 km² na Guatemala

6 de fevereiro de 2018

É uma descoberta fundamental na redação da história maia. Arqueólogos e pesquisadores conseguiram identificar as ruínas de mais de 60.000 casas, palácios, estradas levantadas e até pirâmides, cobertas durante séculos pela selva do norte da Guatemala com a tecnologia Lidar, revelando a amplitude insuspeita das interconexões entre as cidades.

A descoberta é excepcional. Milhares de estruturas e edifícios maia desconhecidos, escondidos sob o dossel desde séculos, acabaram de ser vistos por arqueólogos. Essas construções em larga escala incluem pirâmides, palácios, centros cerimoniais, mas também obras menos espetaculares, como parcelas cultivadas ou moradias. Todas estão localizadas na selva do norte da Guatemala, e é graças ao uso do Lidar (Light Detection And …