Fortificações de 1693 descobertas em excelentes condições na cidade de Quebec

De Nicolas Drouvot, 8 de novembro de 2018, referindo-se à noticia de Radio-Canada (6/11/18) no site https://ici.radio-canada.ca

Uma visão geral das fortificações de 1693

Uma visão geral das fortificações de 1693. Foto: Cortesia / Cultura e Comunicações Quebec.

Vista aérea das fortificações de 1693

Vista aérea das fortificações de 1693. Foto: Cortesia / Cultura e Comunicações Quebec.

É na área cercada de vermelho que os restos da muralha de Beaucours foram descobertos .

É na área cercada de vermelho que os restos da muralha de Beaucours foram descobertos - Imagem: Mapa da cidade e castelo de Québec, 1700, Levasseur de Néré.

Foto: Cortesia / Cultura e Comunicações Quebec.

Foto: Cortesia / Cultura e Comunicações Quebec.

Click!Fortificações datadas de 1693 foram descobertas em excelente estado nos últimos dias em Vieux-Québec. Elas serão escavadas e depois expostas.

Muito mais antigas do que as muralhas atualmente observadas na área da praça de Youville, essas fortificações, que são apelidadas de paliçada de Beaucours, foram encontradas graças à construção de um prédio perto de uma pequena capela, na rua Saint.-Ursule.

Com 20 metros de comprimento, essas fortificações foram enterradas no barro, o que explica seu excelente estado de conservação, mesmo que tenham 325 anos de idade.

Além da estrutura de madeira, os arqueólogos encontraram pregos e cachimbos, mas não ossos ou balas de canhão.

Uma conferência de imprensa sobre essa importante descoberta aconteceu em 6 de novembro de 2018, na presença do primeiro-ministro François Legault e do prefeito de Quebec, Régis Labeaume, que visitaram o local.

"Olhando para esses vestígios, acho muito emocionante. Isso me inspira. Isso confirma que nossos ancestrais, aqueles que fundaram a Nova França há mais de 400 anos, trabalharam arduamente em condições difíceis. Conseguimos preservar esta nação que fala francês ", disse o primeiro-ministro do Quebec, François Legault.

Em 1693, Quebec era uma pequena cidade de cerca de 800 habitantes, constantemente ameaçada pelos Ingleses e pelos Iroqueses. Embora Cape Diamond sempre tenha sido uma barreira natural efetiva no Sudeste, Quebec era vulnerável em seu flanco ocidental.

Cerca de 500 homens contribuíram para a construção da paliçada. É composta de peças maciças de cedro cortadas com um machado.

"É fascinante ver que quase todos os cidadãos da época participaram. Esta é uma grande descoberta para a cidade, mas também para todo o Quebec ", disse François Legault.

A construção destas fortificações foi a consequência do ataque inglês de 1690 liderado pelo inglês Phips, explica por sua vez o historiador Réjean Lemoine. "Na verdade, o que descobrimos é realmente o embrião das primeiras fortificações de Quebec depois de 1690", comentou ele sobre as ondas de rádio da RDI. "Phips tentou atacar apanhando por trás a cidade do lado de Canardière. Não funcionou."

Foi durante a Batalha de Quebec que o defensor da cidade, Louis de Buade de Frontenac, pronunciou sua famosa sentença: "Não tenho outra resposta para o seu General [Phips] de que pela boca dos meus canhões". Foi desse jeito que Frontenac respondeu a um enviado britânico que trouxe uma missiva convocando os Franceses a se renderem, em outubro de 1690.

Se os Franceses repeliram o invasor em 1690, eles sabiam muito bem que não chegaram ao fim de seus esforços. Após o ataque de Phips em 1690, eles pensam que, mesmo que estejam geograficamente bem localizados, estrategicamente, terão que começar a se proteger. (Réjean Lemoine, historiador)

O engenheiro militar Josué Dubois Berthelot de Beaucours comprometeu-se, portanto, a criar esta paliçada, muito menor que as fortificações atuais, que datam da virada do século XIX.

"E é [Beaucours] quem também criará as duas primeiras portas: os portões de Saint-Jean e Saint-Louis", acrescenta o historiador.

Projetado em madeira e terra, a paliçada de Beaucours não teria resistido muito tempo a tiros de canhão. Ela protegia, no entanto, contra uma invasão terrestre vindo do Oeste, disse Lemoine.

"É fascinante. Eu sou presidente da Organização das Cidades do Patrimônio da Humanidade. Quando descobrimos coisas assim em nossa cidade, na cidade de Quebec, é muito comovente ", disse o prefeito Labeaume.

Antes de ser exposta ao público, a paliçada de Beaucours terá que ser escavada e transferida para um centro de conservação do Ministério da Cultura para garantir sua preservação. Levará dois anos para ela secar.

"Você tem que remover essa paliçada do chão rapidamente", diz Nathalie Roy, Ministra da Cultura e Comunicações de Quebec. A geada vem e essa paliçada está cheia de água. Não deve congelar. Há umas boas cem horas de trabalho para fornecer a escavação muito suavemente. "

Um levantamento topográfico e uma digitalização em 3D da paliçada também serão feitos para melhorar nosso conhecimento deste período crucial na história do Quebec.

François Legault garante que os restos desta fortificação permanecerão na cidade de Quebec. Ele também mencionou que a descoberta poderia ser usada para fortalecer o status da cidade de Quebec como uma cidade do Patrimônio Mundial da UNESCO.

[Se você gostou deste artigo, poderá gostar também, desta noticia: Laki, Islândia, 1783: o vulcão que desencadeou a Revolução Francesa?]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Outras noticias sobre a categoria era moderna e contemporânea publicadas no site.

Perdidos no Polo Norte: A desastrosa expedição do capitão John Franklin
21 de maio de 2018

Perdidos no Polo Norte: A desastrosa expedição do capitão John Franklin

O naufrágio do segundo navio da lendária expedição britânica desaparecida em 1848 acabou de ser descoberto no Ártico, encerrando um dos maiores enigmas e tragédia marítima do século XIX. Extraordinário! Quase dois anos depois de descobrir o HMS Erebus, o navio perdido da desastrosa expedição do Britânico …

16 de abril de 2018

Um mistério da Segunda Guerra Mundial resolvido graças às árvores

Um mistério da Segunda Guerra Mundial resolvido graças às árvores

Pesquisadores esclareceram uma parte da História estudando anéis de árvores perto de um campo de batalha na Noruega. Como o Tirpitz, o maior navio de guerra alemão, conseguiu escapar dos bombardeios aliados durante a Segunda Guerra Mundial? Pesquisadores descobriram a resposta "nos anéis de crescimento das árvores"!

Durante o conflito de 39-45, os Aliados tentaram várias vezes afundar o Tirpitz que o senhor da guerra britânico Winston Churchill apelidava de "a besta". O navio foi finalmente enviado para o fundo em novembro de 1944, durante um ataque aéreo da Royal Air Force. Muito mais tarde, em 2016, durante uma viagem com seus alunos para as florestas do norte da Noruega, Claudia Hartl, uma pesquisadora, encontrou traços inesperados dos combates. "Nós medimos anéis de árvores e descobrimos que eles eram muito estreitos, em alguns casos quase ausentes, para o ano de 1945", disse Claudia Hartl na reunião anual da União Europeia de Geociências organizada em Viena. "Claro, a gente se perguntou por que?" As primeiras suspeitas foram insetos …