Fragmentos de armas de fogo encontrados no local de Towton, teatro da Guerra das Duas Rosas

Tradução de Nicolas Drouvot, 26 de setembro de 2018, referindo-se à noticia do Daily Mail Reporter (2/12/10) no site https://www.dailymail.co.uk

uma reencenação televisiva da batalha de Towton - a mais sangrenta da história da Grã-Bretanha - que ocorreu em 29 de março de 1461

Uma reencenação televisiva da batalha de Towton - a mais sangrenta da história da Grã-Bretanha - que ocorreu em 29 de março de 1461.

Os fragmentos de duas armas de mão usadas na Batalha de Towton em 1461 que foram descobertos por um detector de metais

Os fragmentos de duas armas de mão usadas na Batalha de Towton em 1461 que foram descobertos por um detector de metais.

Bloody Meadow e Cock Beck, onde ocorreu uma grande carnificina na Batalha de Towton.

Bloody Meadow e Cock Beck, onde ocorreu uma grande carnificina na Batalha de Towton.

Eduardo IV, de 19 anos, que era presente no campo de batalha e Henrique VI

Eduardo IV, de 19 anos, que era presente no campo de batalha e Henrique VI.

Dois lapidários no trabalho.

Este crânio quebrado mostra a brutalidade da luta. O número total de homens mortos em Towton ainda é contestado, mas pode ser entre 20.000 e 30.000.

Click!Foi a batalha mais sangrenta de todos os tempos em solo inglês e ela mudou o curso da História. No entanto, uma descoberta arqueológica notável em 2010 fez entrar na história a batalha de Towton do 29 de março de 1461, para outra razão importante.

Artefatos descobertos por um detector de metais em um campo de Yorkshire mostraram que algumas das armas mais antigas foram usadas naquele dia, fazendo da batalha de Towton a primeira batalha com armas de fogo comprovada na História britânica.

O confronto de dez horas entre os Yorkistas e os Lancastrianos terminou com o massacre de 28.000 homens, ou 1% da população inglesa na época.

Lutando em uma tempestade de neve, centenas de flechas caíram sobre os exércitos opostos, que também se massacraram com espadas em cenas terríveis de combate próximo. Os corpos estavam empilhados tão alto que a luta parou brevemente para movê-los.

Agora os pesquisadores descobriram que vários Lancastrianos também estavam armados com essas novas armas secretas e letais.

Além de fragmentos de dois canos pertencentes a duas armas separadas, os arqueólogos também encontraram uma bala de chumbo com um núcleo de ferro.

Segundo o arqueólogo da Universidade de York, Tim Sutherland, esta bala é "a mais antiga descoberta na Europa até hoje".

"Apenas uma bala poderia ter sido disparada de uma só vez com uma pequena arma como esta, mas teria sido letal e o efeito teria sido horrível a uma curta distância", disse ele.

Embora o tamanho da arma de bronze não seja conhecido, o cano tinha 2 cm de diâmetro. A pólvora dentro teria sido acesa com um pavio.

Os dois fragmentos de cano de 10cm foram enviados para um laboratório de alta tecnologia em Oxfordshire para análise. Evelyn Godfrey, do ISIS Research Center, disse: "É quase certo que essas duas ligas diferentes vêm de dois modelos diferentes. Elas são quase certamente de duas armas diferentes.

Mas os elencos eram "incrivelmente pobres" e o metal "cheio de bolhas", o que fez com que a arma pudesse se desmoronar, quando disparada.

A batalha ocorreu em uma tempestade de neve e o frio intenso também aumentaria o risco de fratura quando a pólvora estava ligada.

"Não é realmente surpreendente que explodiu quando disparada", disse Sutherland. "O fabrico de armas de fogo durante este período foi notoriamente pouco fiável."

A análise do revestimento interno dos fragmentos de pistola mostrou que eles continham "constituintes da pólvora" e, portanto, que eram usados na batalha.

A arma certamente teria sido pesada e não era fácil de transportar na linha de frente. Os pesquisadores acreditam que foi usada em Towton como um meio de intimidar o inimigo.

A falta de precisão e a dificuldade em disparar a tornavam um uso limitado no campo de batalha, embora o barulho certamente tivesse assustado os cavalos de ambos os lados.

Sutherland disse que a literatura confirma que pistolas básicas como essa foram usadas em combates na Europa alguns anos atrás. No entanto, a descoberta de evidências físicas no local da Batalha da Guerra de Duas Rosas, perto de Tadcaster, em North Yorkshire, é a primeira evidência a que os arqueólogos tiveram acesso.

Ele disse: "Por causa de sua raridade, não conhecemos nenhum outro campo de batalha onde tais descobertas foram trazidas à luz.

"No que diz respeito ao campo de batalha em Towton, é muito importante porque estamos observando o uso de tiro com arco e a introdução de armas de fogo. As armas de fogo não se tornaram comuns em batalha antes de cerca de 30 anos. É incrivelmente importante e ainda não podemos acreditar que descobrimos isso.

Infelizmente, as armas não lhes deram muito benefício uma vez que as tropas de Henrique VI foram derrotadas pelos Yorkistas, permitindo que Eduardo IV, com 18 anos, reivindicasse o trono.

Evidências sugerem que as armas foram tão mal fabricadas que finalmente explodiram quando foram disparadas e quase certamente mataram os infelizes soldados que as usaram.

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Idade Média publicadas no site.

12 de setembro de 2018

Uma mudança climática estava na origem da peste negra

Uma mudança climática estava na origem da peste negra

A História nos aprende que o aquecimento global poderia muito bem nos reservar uma surpresa ruim. Desde alguns verões, o aumento anual das temperaturas é uma oportunidade para observar o degelo do permafrost, essa camada de subsolo congelado que faz fronteira com o círculo polar …

10 de setembro de 2018

Crianças tomadas como reféns? Testes genéticos revelam relações inesperadas em tumbas medievais

Crianças tomadas como reféns? Testes genéticos revelam relações inesperadas em tumbas medievais

Uma dúzia de tumbas medievais excepcionais contendo os restos mortais de 13 pessoas acabou de revelar seus segredos genéticos agora que os pesquisadores criaram uma árvore genealógica das pessoas que estão enterradas lá.

Em 1962, trabalhadores da construção civil descobriram um local raro na cidade de Niederstotzingen, no sul da Alemanha: um cemitério de 1400 anos cheio de objetos funerários e os corpos de 13 guerreiros e crianças. Mas, apesar de décadas de estudo, ninguém sabia como eles estavam mortos ou de onde vieram. Agora, uma nova análise de seu DNA e outros traços químicos em seus ossos revela que os guerreiros medievais eram surpreendentemente cosmopolitas, alguns nascidos localmente e outros vindos de partes distantes da Europa. Uma possibilidade, embora não …