Grande descoberta arqueológica na Basílica Catedral Notre-Dame de Quebec

De Nicolas Drouvot, 8 de abril de 2018, referindo-se ao artigo de Maxime Corneau (06/04/18) para https://ici.radio-canada.ca

A Basílica Catedral de Notre-Dame

A Basílica Catedral de Notre-Dame. Foto: Radio-Canada / Maxime Corneau

O local onde as fundações foram descobertas

O local onde as fundações foram descobertas. Foto: Jean-Yves Pintal

Pesquisas arqueológicas realizadas sob a Basílica Catedral Notre-Dame de Quebec permitiram encontrar os restos de uma capela da primeira igreja paroquial da Nova França, a capela de Sainte-Famille que data de 1647.

"Temos 90% de certeza de que estes são os restos da capela Sainte-Famille", diz Jean-Yves Pintal, o arqueólogo consultor que participou desta pesquisa liderada pelo historiador Robert Côté. As fundações de pedra da capela foram descobertas durante as escavações.

O Ministério da Cultura acabou de publicar o relatório desta pesquisa. O arqueólogo Jean-Yves Pintal diz que a equipe esperava encontrar esses restos da fundação, mas a descoberta não é menos excepcional.

Para entender a importância da descoberta, o Sr. Pintal explica que isso é o "coração da Nova França".

"Esta é a primeira igreja paroquial em Quebec. É de lá que irradiava a religião católica não anglófona na América do Norte francesa. "

A Basílica Catedral foi construída diretamente no local que abrigava a igreja de Notre-Dame-de-la-Paix, que incluía a capela de Sainte-Famille. "Nossa Senhora da Paz é a ancestra direta da basílica de hoje", diz o arqueólogo.

O porão da Basílica Catedral tem sido citado muitas vezes como um local potencial para abrigar o túmulo de Samuel de Champlain. Jean-Yves Pintal não é, no entanto, um daqueles que acreditam que os restos estão lá.

Ele acha que é na área da antiga igreja Notre-Dame-de-Recouvrance, agora desaparecida, anteriormente localizada perto da atual basílica-catedral.

Além disso, uma parede que data possivelmente de 1620 foi encontrada durante as escavações. Seria um prédio que pertencia à família de Louis Hébert. O arqueólogo não pode, no entanto, reivindicar além de qualquer dúvida sua origem. Outras pesquisas poderiam ajudar a confirmar isso.

[Sobre a cidade de Quebec, veja também: Fortificações de 1693 descobertas em excelentes condições na cidade de Quebec]

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Era moderna e contemp. publicadas no site.

História genética: em busca das raízes africanas das comunidades Marrons
28 de fevereiro de 2018

História genética: em busca das raízes africanas das comunidades "Marrons"

Novos dados genéticos ajudam a restaurar as ligações quebradas pelo comércio triangular e pela escravidão entre as duas margens do Atlântico. Pesquisadores do laboratório de antropologia molecular e imagens de síntese (CNRS / Universidade Toulouse III - Paul Sabatier / Universidade Paris Descartes)…

Revelada a causa do misterioso ‘cocoliztli’, o mal que dizimou os índios das Américas

Revelada a causa do misterioso ‘cocoliztli’, o mal que dizimou os índios das Américas

15 de janeiro de 2018

Estudo com DNA antigo identifica a salmonela como possível agente patogênico que matou entre 50% e 90% dos indígenas depois da chegada dos espanhóis.

Quando Hernán Cortés pisou em solo mexicano em 1519, havia na região mesoamericana entre 15 e 30 milhões de índios. Ao final do século XVI, mal restavam dois milhões. Embora as guerras e a exploração tenham liquidado muitos indígenas, foram as epidemias que dizimaram a população. Em especial uma série de surtos de uma enfermidade desconhecida, que não tinha nome nem em espanhol nem em náhuatl, e que os mexicas chamaram de cocoliztli (o mal ou pestilência), matou entre 50% e 90% dos indígenas. Agora, um estudo com o DNA antigo pode ter identificado esse agente patogênico: a salmonela.…