Há 2.300 anos, esta fortaleza egípcia enviava elefantes para a batalha

Tradução de Nicolas Drouvot, 30 de janeiro de 2019, referindo-se à noticia de Emma Hollen (7/01/19) no site https://www.maxisciences.com

Ptolomeu II Filadelfo funda a biblioteca de Alexandria

Ptolomeu II Filadelfo funda a biblioteca de Alexandria / Pintura, 1813, de Vincenzo Camuccini (1771-1844) - Nápoles, Galleria Naz. di Capodimonte.

Berenikè, as ruínas da cidade

Berenikè, as ruínas da cidade

Mapa das trilhas de Berenikè e Myos Hormos na segunda metade do século III aC

Mapa das trilhas de Berenikè e Myos Hormos na segunda metade do século III aC / © Desenho J.-P. Brun

Click!Uma fortaleza egípcia de 2.300 anos acabou de ser descoberta perto do Mar Vermelho. Na época, essas fortificações protegiam o porto de Berenikè, enviando elefantes para a batalha.

No antigo porto de Berenikè, à beira do Mar Vermelho, uma fortaleza de 2.300 anos foi descoberta por arqueólogos. Construída no Egito durante a dinastia lágida, destaca-se pelo seu tamanho considerável. Na época, ela tinha o objetivo de proteger o porto, do qual o exército enviava elefantes em combate.

"Uma fileira dupla de muralhas protegia a parte ocidental da fortaleza, enquanto uma única fileira era suficiente para o leste e norte. Torres quadradas foram construídas nos cantos e em pontos estratégicos onde seções de paredes se uniam", explicam os arqueólogos em um artigo publicado na revista Antiquity. A parte ocidental do forte enfrentava a terra e não o mar, sugerindo que os defensores esperavam um ataque dessa direção.

Como os arqueólogos revelam, a parte mais imponente e fortificada da fortaleza de Berenikè é uma área de cerca de 160 metros de comprimento e 80 metros de largura. É composta de "três grandes pátios e muitas estruturas associadas, formando um complexo fechado e fortificado de oficinas e lojas". Dentro da fortaleza, os arqueólogos encontraram um poço e uma série de canais e bacias para coletar, armazenar e distribuir água da chuva e do solo.

Eles também descobriram várias figurinhas de terracota, moedas e fragmentos do crânio de um elefante jovem. De fato, os textos indicam que Berenikè fazia parte de um conjunto de portos construídos ao longo do Mar Vermelho, cujo papel era fornecer elefantes aos exércitos lágidos. Estudos genéticos revelam que as criaturas vieram da Eritréia, na África.

"É interessante notar que os administradores de [Berenikè] claramente não consideraram essas fortificações necessárias, e algumas delas foram desmanteladas após um período muito curto de existência", disse o arqueólogo Marek Woźniakand. Nenhum vestígio de ataque contra a cidade foi identificado. Gradualmente, tornou-se um porto comercial próspero. E os próprios elefantes se tornaram sossegados.

[Se você gostou deste artigo, poderá gostar também, desta noticia, sobre a descoberta, no Sudão, no sul do Vale do Nilo, entre o Mar Vermelho e a África Central, do maior grupo de inscrições meroíticas conhecidas até hoje: Um esconderijo de estelas gravadas com a misteriosa escrita do reino africano de Meroe descoberto]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Outras noticias sobre a categoria Antiguidade publicadas no site.

Descoberta de uma excepcional carruagem de guerra gaulês na Bulgária
22 de novembro de 2018

Descoberta de uma excepcional carruagem de guerra gaulês na Bulgária

“ De fato, os Gauleses que foram deixados para trás por Brennos para proteger as fronteiras de seu povo, no momento em que o chefe estava partindo para a Grécia, para não parecer os únicos a permanecer ociosos armaram quinze mil infantarias e três mil cavaleiros, e ameaçaram a Macedônia …

25 de outubro de 2018

Um naufrágio de 2400 anos foi encontrado em excelente estado no fundo do mar Negro

Um naufrágio de 2400 anos foi encontrado em excelente estado no fundo do mar Negro

O mais antigo navio 'intacto' do mundo, um navio mercante grego que remonta a 400 aC, foi descoberto por 2 quilômetros de fundo no mar Negro, anunciou uma expedição científica anglo-búlgara na terça-feira.

Isto é o que anunciou em 23 de outubro de 2018 a expedição científica anglo-búlgara Black Sea MAP (para Maritime Archaeology Project).

A expedição Black Sea MAP examinou por três anos os fundos do Mar Negro ao longo de mais de 2.000 km² da costa da Bulgária usando o sonar e um veículo controlado remotamente equipado com câmeras projetadas para exploração em águas profundas. "Nós já descobrimos pedaços de naufrágios que datam de tempos anteriores, mas este parece intacto", disse à BBC a arqueóloga Helen Farr, parceira do projeto. " …