Itália: O esqueleto de um homem revela que ele havia substituído sua mão amputada por uma faca!

Traduzido por ND, 19 de abril de 2018, referindo-se ao artigo de Emma Hollen (13/04/18) para http://www.maxisciences.com

Este guerreiro italiano medieval teria substituído sua mão amputada por uma lâmina

Este guerreiro italiano medieval teria substituído sua mão amputada por uma lâmina.

Recentemente, arqueólogos fizeram uma surpreendente descoberta em um túmulo italiano da Idade Média:

Um homem cuja mão, amputada, teria sido substituída por uma faca. Encontrado em uma necrópole lombarda no norte da Itália, seu esqueleto, enterrado ao lado de centenas de outros, incluindo vários animais, remonta aos séculos VI e VIII dC.

No momento de sua morte, o homem tinha 40 ou 50 anos e teve uma amputação no meio de seu antebraço. Uma lesão manifestamente violentamente infligida, como concluem os pesquisadores da Universidade Sapienza, em Roma. "É possível que o membro tenha sido amputado por razões médicas. Talvez ele tenha sido fraturado após uma queda acidental ou em outras circunstâncias, resultando em uma lesão que se tornou impossível de tratar ".

"No entanto, conhecendo também a cultura guerreira que caracterizava os Lombardos, também é possível que o membro estivesse perdido no combate. Uma cultura traduzida perfeitamente na substituição de sua mão perdida por uma arma.

As extremidades dos ossos humanos parecem corroborar esta hipótese: a forma adotada por causa da sua cura revela as marcas de uma pressão que uma prótese poderia ter exercido, de acordo com os pesquisadores.

Outros elementos suportam essa teoria. Os dentes do homem mostram um desgaste incomum: uma perda de esmalte importante, bem como uma lesão do osso maxilar (parte superior da mandíbula). Os dentes do lado direito de sua boca estavam desgastados o suficiente para permitir que os arqueólogos suspeitassem que as gengivas também haviam sido abertas, causando uma infecção bacteriana. O relacionamento com sua prótese? Os pesquisadores acreditam que o homem estava usando os dentes para apertar as correias que seguravam a mão substituta no lugar. Além disso, o ombro do homem também tem uma deformidade que parece indicar que ele frequentemente estendia o braço artificialmente, em uma posição que poderia corresponder ao gesto feito ao prender sua arma.

Finalmente, o homem é o único a ser enterrado com a arma perto de seu abdômen, e não ao seu lado. No momento da escavação, o sujeito foi encontrado com o braço dobrado sobre o peito e a faca colocada em linha com o pulso. Um laço e um material orgânico provavelmente relacionado ao couro também foram encontrados perto dele, sugerindo que poderia ter sido a alça da faca. Pesquisas indicam que, em vista do progresso da cura de seus ossos, o homem teria vivido muito tempo após a amputação de sua mão. "Esse homem lombardo sobreviveu notavelmente bem após essa amputação, antes da era dos antibióticos", concluem os arqueólogos. "Sua sobrevivência é um testemunho do cuidado de sua comunidade, da compaixão de sua família e do importante valor dado à vida humana. "

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Idade Média publicadas no site.

A Era Viking teria começado na Dinamarca
12 de março de 2018

A Era Viking teria começado na Dinamarca

Os Vikings desenvolveram seus conhecimentos marítimos navegando entre a Dinamarca e a Noruega. A navegação marítima era importante para eles, e suas longas viagens no mar eram únicas para o seu tempo. Três arqueólogos da Universidade de Aarhus (Dinamarca) e da Universidade de York (Inglaterra) mostraram que as viagens marítimas norueguesas para Ribe, o centro …

Um pente de 1000 anos narra o começo do alfabeto viking
12 de março de 2018

Um pente de 1000 anos narra o começo do alfabeto viking

Um pente de mil anos recentemente descoberto na Dinamarca, com a palavra "pente" inscrita nele, poderia ser uma pista valiosa para a origem do alfabeto viking. Sem dúvida, ninguém tem sido tão exaltado pela descoberta de um pente como o arqueólogo dinamarquês Søren Sindbæk. Ele e sua equipe de …

Descoberta de uma cidade maia de mais de 2000 km² na Guatemala

Descoberta de uma cidade maia de mais de 2000 km² na Guatemala

6 de fevereiro de 2018

É uma descoberta fundamental na redação da história maia. Arqueólogos e pesquisadores conseguiram identificar as ruínas de mais de 60.000 casas, palácios, estradas levantadas e até pirâmides, cobertas durante séculos pela selva do norte da Guatemala com a tecnologia Lidar, revelando a amplitude insuspeita das interconexões entre as cidades.

A descoberta é excepcional. Milhares de estruturas e edifícios maia desconhecidos, escondidos sob o dossel desde séculos, acabaram de ser vistos por arqueólogos. Essas construções em larga escala incluem pirâmides, palácios, centros cerimoniais, mas também obras menos espetaculares, como parcelas cultivadas ou moradias. Todas estão localizadas na selva do norte da Guatemala, e é graças ao uso do Lidar (Light Detection And …