Joias de ouro de 2800 anos descobertas em um túmulo localizado nas montanhas do Cazaquistão

Traduzido por Nicolas Drouvot, 10 de agosto de 2018, referindo-se à noticia de Bernadette Arnaud do 5/08/18 para https://www.sciencesetavenir.fr bem como à noticia de Decouvertes-archeologiques do 8/07/18 para http://decouvertes-archeologiques.blogspot.com

Brincos delicados, adornos de ouro com decoração de animais incrustados com pedras preciosas... mais de 3.000 objetos preciosos foram extraídos de um kurgan pertencente aos Citas orientais, no nordeste do Cazaquistão

Brincos delicados, adornos de ouro com decoração de animais incrustados com pedras preciosas... mais de 3.000 objetos preciosos foram extraídos de um kurgan pertencente aos Citas orientais, no nordeste do Cazaquistão / Créditos: Oleg Belyalov east2west news

O tesouro - descrito como inestimável é acreditado pertencer à realeza ou membros da elite do povo Saka.

O tesouro - descrito como "inestimável" - é acreditado pertencer à realeza ou membros da elite do povo Saka.

Existem cerca de 200 montes funerários no planalto de Eleke Sazy, onde esses tesouros foram encontrados mas muitos foram roubados nos tempos antigos.

Existem cerca de 200 montes funerários no planalto de Eleke Sazy, onde esses tesouros foram encontrados mas muitos foram roubados nos tempos antigos.

Click!Um tesouro de ourivesaria de 2800 anos pertencente aos Citas orientais ou Sakas foi descoberto em um túmulo, a leste do Cazaquistão, na Ásia Central.

Brincos delicados, adornos de ouro com decoração de animais incrustados com pedras preciosas...

A descoberta de um conjunto suntuoso de 3000 ornamentos de ouro, foi anunciada oficialmente no final de julho de 2018 nas montanhas remotas de Tarbagatai (" Montanha das Marmotas ") no nordeste da República do Cazaquistão. Obras dos Sakas (nome dado pelos Persas aos Citas orientais), um vasto kurgan principesco de 2800 anos de idade, afiliado a esse povo nômade da Ásia Central, foi escavado por uma equipe de pesquisa liderada por Zainolla Samashev, diretor do Instituto de Arqueologia Margulan, em Astana, a capital do Cazaquistão. Distinguido especialista das culturas da estepe, o especialista estuda desde alguns anos o planalto de Eleke Sazy onde são extraídos estes frágeis tesouros.

No coração de um tumulo imponente, escondido sob grandes blocos de pedra, uma câmara funerária de madeira ainda conteria os restos mortais dos ocupantes. Como tradicionalmente para os enterros congelados do Altai, equinos sacrificados estão entre as ofertas.

Grandes de várias dezenas de metros de diâmetro, esses ricos mausoléus citas geralmente estão localizados no cruzamento de um enorme território que se estende da Sibéria até o Cazaquistão, passando também pela Mongólia e a China vizinhas. "Encontrar tais lugares intocados hoje em dia é raro." Os saques são frequentes, e é aliás dessa região remota que os vários artefatos da famosa coleção "Siberiana" do Czar Pedro, o Grande (1672-1725) são originários, diz o historiador Yaroslav Lebedinsky, especialista em antigas culturas eurasianas.

Chamado de Citas do Altai, Sakas (ou Saces), estes povos nômades, combatentes das estepes, eram apaixonados por ouro, armas e cavalos. Seus ourives fizeram joias admiráveis.

Entre as descobertas, antigas de 2800 anos, estão brincos em forma de sino, placas de ouro com rebites, correntes e um colar incrustado de pedras preciosas.

As contas de ouro que decoram as peças de vestuário foram feitas usando técnicas sofisticadas de micro-soldagem, o que indica um nível excepcional de habilidades de criação de joias para este período.

Os arqueólogos esperam agora encontrar os restos de um casal de prestígio, os donos do tesouro, mas eles ainda não acessaram os túmulos.

O professor Zainolla Samashey, encarregado das escavações, relata que "muitas descobertas valiosas encontradas dentro deste tumulo sugere-nos que um homem e uma mulher estão enterrados aqui, pessoas dominantes ou que pertenciam à elite da sociedade Saka ".

Para Danial Akhmetov, chefe da região do Leste-Cazaquistão: "Esta descoberta nos dá uma visão totalmente diferente da história do nosso povo." Os antigos tinham claramente habilidades excepcionais no campo da extração, venda e fabricação de joias, disse ele.

Existem cerca de 200 túmulos no planalto de Eleke Sazy, onde esses tesouros foram descobertos, mas muitos outros foram saqueados nos tempos antigos. O planalto com pastos ricos era considerado um "paraíso" pelos reis Saka.

As primeiras joias foram extraídas aqui há dois anos, embora, na época do líder russo Pedro, o Grande, outros tesouros fossem removidos. Apesar disso, os especialistas esperam encontrar mais vestígios de artefatos de ouro do povo Saka. "Há muitos túmulos aqui e as perspectivas são muito grandes", relata o arqueólogo cazaque Yerben Oralbai.

O povo Saka era um ramo dos Citas, uma civilização nômade avançada da Ásia Central que se estendia até à Sibéria.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Antiguidade publicadas no site.

Os tesouros da princesa celta de Heuneburg na Alemanha revelam seus segredos
12 de agosto de 2018

Os tesouros da princesa celta de Heuneburg na Alemanha revelam seus segredos

O túmulo da princesa celta de Heuneburg remonta à Idade do Ferro, quando os Celtas ocupavam a atual Alemanha e negociavam com o resto da Europa. No outono de 2005, um fragmento de uma fíbula de bronze banhado a ouro foi descoberto após uma pesquisa, cerca de 2,4 km ao sul-sudeste de Heuneburg …

Os guerreiros gauleses de La Gorge-Meillet (Marne) recuperam seus rostos
29 de julho de 2018

Os guerreiros gauleses de La Gorge-Meillet (Marne) recuperam seus rostos

Um cientista chinês tenta novamente deslocar o berço da humanidade para a China... Em 1978, equipes chinesas encontraram um crânio a 30 km ao norte da cidade de Dali, na província de Shaanxi, no centro da China. O crânio seria datado entre - 267 e - 258.000 anos atrás. Devido a cumes supra-orbitais …

Aníbal e seus elefantes ainda não entregaram todos os seus segredos
2 de agosto de 2018

Aníbal e seus elefantes ainda não entregaram todos os seus segredos

OS MISTÉRIOS DO PASSADO. Seu itinerário pelos Alpes continua a alimentar debates inflamados. Dos textos antigos para vestígios de micróbios, algumas pistas sobre o caminho destes paquidermes quase lendários. Era o ano de 218 aC, 2.236 anos atrás …

30 de junho de 2018

Gauleses enterrados na Grã-Bretanha?

Uma civilização vegetal desconhecida no sudeste da Ásia?

150 esqueletos da Idade do Ferro foram exumados perto da aldeia de Pocklington, a leste do condado de York, no norte da Inglaterra.

Enterrados desde 2500 anos com, ao seu lado, pontas de lança e espadas, 150 esqueletos particularmente bem preservados foram descobertos em uma importante necrópole de Pocklington, datada da Idade do Ferro (425 a 25 aC), ou seja, do período La Tene.

Seria a descoberta mais importante já feita na Inglaterra para este período. Uma das 75 sepulturas continha o único escudo desse período encontrado na Grã-Bretanha. A julgar pelos rituais funerários observados pelos arqueólogos, esses vestígios podem ter pertencido a populações conhecidas como "cultura de Arras", termo criado em 1940 pelo famoso arqueólogo australiano Gordon Childe (1892-1957) para batizar esses grupos …