Levallois na China mais cedo do que pensávamos

Tradução de Nicolas Drouvot, 31 de dezembro de 2018, referindo-se à noticia de François Savatier (4/12/18) no site https://www.pourlascience.fr

Varios núcleos encontrados na caverna de Guanyindong na China.

Varios núcleos encontrados na caverna de Guanyindong na China. © Yue Hu, et al., Nature

Os diferentes locais onde foram encontrados conjuntos de ferramentas cortadas pelo método Levallois. Além de um na Índia, os locais com mais de 300 mil anos estão na Europa e na África

Os diferentes locais onde foram encontrados conjuntos de ferramentas cortadas pelo método Levallois. Além de um na Índia, os locais com mais de 300 mil anos estão na Europa e na África. © Yue Hu, et al., Nature

Click!A descoberta de ferramentas de pedras lascadas pelo chamado método Levallois há 170 mil anos no sudeste da China desafia os cenários da evolução humana no leste da Ásia.

Há mais de 400 mil anos, na África, um de nossos ancestrais teve a ideia de esculpir uma pedra para torná-la não uma ferramenta, mas um bloco do qual ela poderia mais tarde ser aparelhada para produzir muitas ferramentas.

Tal bloco é chamado de núcleo, e a técnica é chamada de método Levallois. Bo Li, da Universidade de Wollongongong, na Austrália, acabou de provar que esse método foi usado na China há 170 mil anos. Por quem? Mistério!

Durante muito tempo, a humanidade conheceu apenas a enformação, isto é, a transformação de blocos de pedra em alguns tipos de ferramentas de uso amplo (bifaces, raspadores, etc.). As primeiras ferramentas esculpidas pelo método Levallois foram descobertas na Europa e têm mais de 300 000 anos. Os historiadores muito tempo consideraram essa técnica como um dos principais marcadores da cultura neandertal, antes de percebermos que ela havia aparecida pelo menos tanto cedo na África. Imaginou-se então que os Neandertais na Europa e as populações africanas haviam desenvolvido esse método de lascagem de maneira independente. Nesse cenário, é o Homo sapiens que, deixando a África, teria trazido o método Levallois para qualquer outro lugar do planeta.

Mas no início de 2018, a equipe do pré-históriador indiano Kumar Akhilesh descobriu um conjunto impressionante de lascas e puntas Levallois de 385.000 anos no local de Attirampakkam, na Índia. Quem são os autores? Homo sapiens arcaicos vindos da África? Essa possibilidade dá vertigens já que os mais antigos registros fósseis do Homo sapiens, os de Jebel Ihroud no Marrocos, remontam a 315 mil anos atrás.

A descoberta de Bo Li e seus colegas complica ainda mais esse quadro. Esses pesquisadores descreveram dois conjuntos de artefatos do tipo Levallois descobertos na década de 1970 na Caverna de Guanyindong, no sudoeste da China, e reavaliaram a data. O local foi localizado no tempo pelo método do isótopo de urânio-tório, mas de maneira pouco confiável. Os pesquisadores começaram a datar pela técnica da luminescência opticamente estimulada (OSL) os grãos de quartzo dos estratos onde as ferramentas foram descobertas. Graças a esse método, que revela quando um objeto foi exposto ao sol pela última vez, eles conseguiram reconstruir uma cronologia coerente dos estratos de onde vêm as ferramentas. Em particular, um dos conjuntos de ferramentas é de 160 a 170.000 anos de idade. Isso sugere que o método Levallois foi usado na China naquela época.

Para os pesquisadores, essa datação sugere duas hipóteses: de acordo com a primeira, o método Levallois teria sido inventado independentemente na Eurásia Oriental, assim como o que teria acontecido na Europa neandertal. Os Eurasianos orientais demonstraram, assim, um certo grau de modernidade cognitiva comparável à dos Neandertais.

A segunda hipótese é que uma migração pontual ou outro evento demográfico trouxe a técnica Levallois para a China no Paleolítico Médio. De fato, a descoberta curiosa de dois fragmentos de crânio que misturam traços de Neanderthal e Oriental atual em Xuchang, na China, em 2010, vai nessa direção. Além disso, a análise do DNA do homem de Tianyuan, um indivíduo que morreu há cerca de 40 mil anos, também sugere que a divergência entre os Europeus e os Extremo Orientais ocorreu muito antes da chegada do Homo sapiens na Ásia oriental. O surgimento do método Levallois na China talvez se deva às trocas trans-Eurasianas anteriores à divergência entre Europeus e Asiáticos.

Ainda mais provocativo, mas concebível, já que sabemos que nossa espécie tem pelo menos 300 mil anos, uma terceira possibilidade é que Homo sapiens muito arcaicos se espalharam muito cedo nas latitudes tropicais, primeiro na Índia, depois na China. Mas isso ainda precisa ser demonstrado...

[Se você gostou deste artigo, poderá gostar também, desta noticia, sobre o crânio de Dali descoberto na China,que poderia ser atribuído a um Homo sapiens: Será que o crânio de Dali corresponde a um Homo sapiens de 260 000 anos?]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Outras noticias sobre a categoria Primeiros homens publicadas no site.

Argélia, novo berço da humanidade?
7 de dezembro de 2018

Argélia, novo berço da humanidade?

Acreditava-se que o sudeste da África abrigou os primeiros hominídeos. Mas uma nova descoberta arqueológica poderia colocar tudo em questão. Durante muito tempo, a África do Sudeste foi conhecida como o berço da humanidade, seja moderna ou antiga. Para o Homo Sapiens, esta tese foi derrotada pela descoberta anunciada no ano passado em Jebel Ihroud, no Marrocos …

29 de novembro de 2018

Nosso ancestral Homo sapiens não vem de uma única população africana

Nosso ancestral Homo sapiens não vem de uma única população africana

Nossos ancestrais teriam evoluído a partir de populações dispersas por toda a África e não de um único grupo pequeno localizado como havíamos pensado no passado.

Até cerca de dez anos atrás, uma teoria popular afirmava que nossos ancestrais diretos eram descendentes de uma única população da África. Várias hipóteses conflitavam para situar o berço da humanidade ou na África do Sul ou no Vale do Rift na África do Leste. Como sempre, a história provavelmente seria um pouco mais complexa do que isso. Em um artigo publicado em julho de 2018 na revista Trends in Ecology and Evolution, uma equipe multidisciplinar liderada por Eleanor Scerri, da Universidade de Oxford, argumenta que as populações que deram à luz aos humanos modernos foram de fato divididas em vários grupos com uma diversidade cultural e física muito marcada …