Moedas romanas, emitidas após o suicídio de Nero, encontradas na Inglaterra

De Nicolas Drouvot, 2 de março de 2019, referindo-se à noticia de Le figaro.fr (21/02/19) no site http://www.lefigaro.fr
bem como à noticia de Jack Duggan (18/02/19) no site https://www.banburyguardian.co.uk

A interpretação de um artista italiano do rosto de Nero, a partir de seu busto à direita e da descrição do historiador Suetónio

A interpretação de um artista italiano do rosto de Nero, a partir de seu busto à direita e da descrição do historiador Suetónio.

As moedas na cerâmica em que foram descobertas

As moedas na cerâmica em que foram descobertas. Foto do Warwickshire County Council.

Alguns dos denários de prata descobertos

Alguns dos denários de prata descobertos. Foto do Warwickshire County Council.

Click!A descoberta de 78 denários de prata em Edge Hill, na Inglaterra, acabou de se tornar pública. Datando de 68 a 69 dC, estas moedas são testemunhos do "ano dos quatro imperadores", um período de guerra civil que se seguiu ao reinado de Nero.

Uma imensa coleção de moedas romanas, datando do período da guerra civil pós-neroniana (68 a 69 d.C.) foi descoberta em Edge Hill, no centro da Inglaterra.

Cerca de 78 denários de prata entre 440 moedas - principalmente sestércios de latão - foram mantidos em um vaso de cerâmica encontrado durante as escavações arqueológicas lançadas em 2015.

Dave Reilly, o Conselheiro de Patrimônio e Cultura do Condado de Warwickshire, expressou seu entusiasmo ao Guardian: "Esta descoberta é muito importante para o conhecimento histórico da presença de Roma na Inglaterra. Meu principal objetivo agora é poder expor esses fascinantes testemunhos da antiguidade ao público em nosso Museu do Market Hall em Warwick. Será um ímã único para nossa região ".

Estas moedas romanas, provavelmente resultadas da reforma monetária liderada por Augusto em 19 aC, remontam mais precisamente ao ano conhecido como o dos quatro imperadores (Galba, Otão, Vitélio e Vespasiano), um período de guerra civil que perturbou o império após o suicídio de Nero em 9 de junho de 68.

Esse tesouro arqueológico poderia ajudar muito a pesquisa histórica: de acordo com especialistas, os sucessores do déspota teriam cada um cunhado moedas para financiar seu exército.

Muitas poucas moedas deste período turbulento sobreviveram, tornando-se um tesouro particularmente raro.

[Para mais detalhes sobre o ano dos quatro imperadores, veja aqui: "Linha do Tempo, ano 69 d.C."]

[Se você gostou deste artigo, poderá gostar também desta noticia sobre a recente descoberta na Alemanha atual, em Krefeld, de numerosos esqueletos de cavalos e objetos militares que atestam a violência dos confrontos deste mesmo período: Relíquias romanas encontradas na região do Reno mostram evidências de uma revolta sangrenta]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Outras noticias sobre a categoria Roma imperial publicadas no site.

19 de outubro de 2018

Um grafite desafia a data da destruição de Pompeia

Um grafite desafia a data da destruição de Pompeia

A inscrição encontrada em uma casa prova que a cidade não foi destruída pelo Vesúvio em 24 de agosto de 79, mas dois meses depois. Duas pequenas linhas inscritas com carvão em uma parede na altura do homem …

14 de outubro de 2018

O Vesúvio ferveu o sangue de suas vítimas e explodiu seus crânios

O Vesúvio ferveu o sangue de suas vítimas e explodiu seus crânios

Um novo estudo dos restos de esqueletos da erupção de 79 aC indica que Herculano foi afetado por um fluxo piroclástico de 400 a 900 graus.

Em 79 d.C., o Vesúvio entrou em erupção, cobrindo as cidades romanas vizinhas de Pompéia e Herculano com cinzas quentes e preservando as vítimas em poses realistas... E por muito terrível que seja a perspectiva de morrer sufocado por cinzas, um novo estudo sugere que a asfixia não foi a causa da morte de muitas vítimas.

Arqueólogos descobriram que algumas pessoas morreram em um fluxo piroclástico, uma nuvem de gás superaquecido e cinzas quentes que literalmente ferveram seu sangue e explodiram seus crânios, relata Neel V. Patel, para o Popular Science …