O ancestral do homem de Flores, conhecido como "o Hobbit", talvez tenha sido descoberto

Traduzido por ND, 4 de maio de 2018, referindo-se ao artigo do 20 Minutes avec AFP (08/06/16) para www.20minutes.fr

Uma reconstrução em 3D do rosto de Homem de Flores, descoberto em 2003 na Indonésia

Uma reconstrução em 3D do rosto de "Homem de Flores", descoberto em 2003 na Indonésia. - C.MORAES

Click!Primatas de 700.000 anos de idade na ilha indonésia de Flores seriam os antepassados deste homem misterioso de pequeno tamanho...

Isso poderia esclarecer o mistério em torno do "Hobbit", o verdadeiro. Dois estudos publicados em 2016 na revista científica britânica Nature deveriam terminar com algumas controvérsias de mais de dez anos sobre as origens do homem de Flores, que vivia na ilha indonésia de mesmo nome e que é apelidado de "Hobbit" por causa de seu tamanho pequeno.

Um regresso em três etapas sobre esta descoberta científica. Ato um: O homem de Flores, que teria vivido 50.000 anos atrás, foi descoberto em setembro de 2003 na caverna Liang Bua, na ilha do mesmo nome na Indonésia. Com uma altura de cerca de 1m por 25 kg, ele tinha uma cabeça anormalmente pequena em comparação com o corpo, abrigando um cérebro de tamanho semelhante ao de um chimpanzé. O que lhe valeu o apelido de "Hobbit", como os pequenos personagens de O Senhor dos Anéis, de Tolkien.

Segundo Ato: Desde esta descoberta, os cientistas têm tentado explicar de onde esta pequena criatura estranha pode vir, por que é tão pequena e por que é encontrada somente nesta ilha. Para alguns, o homem de Flores seria descendente de pequenos Homo habilis ou pequenos Australopithecus da África. Para outros, seria um Homo erectus que gradualmente se reduziu para adaptar suas necessidades a recursos escassos.

Novo reacender para um terceiro ato: Yousuke Kaifu e sua equipe anunciam, em um estudo publicado na revista britânica Nature, a descoberta em 2014, de novos fósseis na ilha. Este tesouro, descoberto no sítio de Mata Menge a 100 quilômetros a leste da caverna Liang Bua, onde os famosos "Hobbits" foram encontrados, inclui um fragmento de maxilar e seis dentes, que vem de uma mandíbula menor que a menor mandíbula do homem de Flores.

Ossos que Adam Brumm, da Universidade de Wollongong, na Austrália, e seus colegas, datam de cerca de 700 mil anos em um segundo estudo, também publicado em 2016 na revista Nature.

"O que encontrámos é uma grande surpresa e sugere que o Homo floresiensis é uma espécie extremamente antiga que adquiriu seu pequeno tamanho muito cedo, talvez pouco depois de chegar à ilha há cerca de um milhão de anos ", diz o pesquisador.

"Esses estranhos hominídeos já estavam presentes na ilha há 700 mil anos", diz Yousuke Kaifu, do Museu Nacional da Natureza e da Ciência do Japão, em Ibaraki. "Fiquei chocado quando vi esses novos fósseis", acrescenta ele.

Essa descoberta desacredita uma das hipóteses até então avançadas por alguns pesquisadores, já que se o homenzinho estava presente há 700.000 anos atrás, ele não pode ser um Homo sapiens, que apareceu na Terra muito tempo depois. Fim de uma controvérsia: o homem de Flores não é um sapiens doente, sofrendo de microcefalia ou trissomia. O homem de Flores poderia muito bem ser um produto puro da evolução local, que teria se adaptado ao ambiente da ilha, onde os recursos alimentares eram escassos.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Primeiros hominídeos publicadas no site.

Um osso de dedo humano de 85.000 anos encontrado na Arábia Saudita
10 de abril de 2018

Um osso de dedo humano de 85.000 anos encontrado na Arábia Saudita

Um osso do dedo, encontrado no deserto de Nefoud, na Arábia Saudita, sugere que o Homo sapiens já havia alcançado o interior da península há 85 mil anos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature Ecology & Evolution. O Homo sapiens, também chamado de homem moderno, apareceu na África …

10 de abril de 2018

Uma cachoeira de 1,5 km de altura encheu o Mediterrâneo oriental

Uma cachoeira de 1,5 km de altura encheu o Mediterrâneo oriental

As águas tranquilas do Mediterrâneo cobrem as cicatrizes de um passado tumultuoso. Pesquisadores estão gradualmente destacando evidências gravadas no fundo do mar, o que mostra que este mar conheceu, em um tempo distante, uma das piores inundações da história do planeta. As explicações de Marc-André Gutscher, um geólogo que participou da descoberta desse desastre que ocorreu há mais de cinco milhões de anos.

O Mediterrâneo secou. Vastas extensões, anteriormente submersas, expostas ao ar livre entre lagos hipersalinos semelhantes ao Mar Morto. Por mais difícil que seja, essa visão era muito real se voltarmos uns seis milhões de anos atrás. No final do Mioceno, durante o Messiniano, o Mare Nostrum foi, de fato, o cenário da mais violenta erupção …