O desaparecimento de Saint-Exupéry: a descoberta da pulseira de identidade

Traduzido por ND, 16 de abril de 2018, referindo-se ao artigo do 11/04/18 para https://www.futura-sciences.com

A pulseira de identidade tem o nome e endereço do seu dono

A pulseira de identidade tem o nome e endereço do seu dono: " Antoine de Saint-Exupéry-Consuelo / c/o Reynal and Hitchcock / 386, 4th Ave, N. Y. C. "

Vestígios no mar de seu avião, um Lockheed P-38 Lightning

Vestígios no mar de seu avião, um Lockheed P-38 Lightning

Antoine de Saint-Exupéry morreu repentinamente em 31 de julho de 1944, mas o mistério em torno de seu desaparecimento durou mais de cinquenta anos, até que Jean-Claude Bianco, um pescador de Marselha, encontrou sua pulseira de identidade. Uma descoberta incrível feita ao largo dos Calanques de Marselha.

Nunca faremos o suficiente para elogiar Antoine de Saint-Exupery, um monumento da literatura francesa que desapareceu cedo demais. Escritor, mas também aviador, suas histórias carregadas de humanismo, inspiradas por seu amor pela aviação, alimentaram a imaginação de jovens e idosos. Suas obras, como Vôo Noturno (1931) e O Pequeno Príncipe (1943), não conhecem fronteiras: elas ganharam o coração do mundo inteiro.

Mas apenas um ano após o nascimento do Pequeno Príncipe, a história dá uma reviravolta trágica. Saint-Exupéry, então piloto da Força Aérea, desaparece repentinamente durante um vôo de reconhecimento no sul da França. Ele parece não ter deixado rastro...

Para um dia de tempestade, um 7 de setembro de 1998, uma feliz coincidência levou Jean-Claude Bianco, pescador, a descobrir na sua rede de pesca uma pequena joia de prata perdida no mar ao largo de Marselha. Rasgado e danificado, a pulseira de identidade é muito mais valiosa do que parece, porque pertence a Saint-Exupéry!

A descoberta parece literalmente incrível, a tal ponto que Jean-Claude Bianco será primeiro acusado de fraude antes de se tornar famoso. No entanto, as inscrições gravadas na pulseira - os nomes de Saint-Exupéry e sua esposa e o endereço de seu editor - não mentem.

A pesquisa do naufrágio permanece inicialmente sem sucesso. A joia finalmente levará o mergulhador Luc Vanrell aos escombros do avião de Saint-Exupéry, que descansava nas profundezas submarinas, esperando para ser encontrado.

Graças à descoberta da pulseira, o mistério do desaparecimento do aviador parece ter encontrado um desenlace. A pulseira autêntica está agora no centro de uma exposição dedicada a Antoine de Saint-Exupéry, "Das nuvens às profundezas" no Museu Arqueológico de São Rafael, de 2 de fevereiro a 13 de abril de 2018.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Era moderna e contemp. publicadas no site.

O desaparecimento de Saint-Exupéry: a descoberta da pulseira de identidade
16 de abril de 2018

O desaparecimento de Saint-Exupéry: a descoberta da pulseira de identidade

Antoine de Saint-Exupéry morreu repentinamente em 31 de julho de 1944, mas o mistério em torno de seu desaparecimento durou mais de cinquenta anos, até que Jean-Claude Bianco, um pescador de Marselha, encontrou sua pulseira de identidade. Uma descoberta incrível feita ao largo dos Calanques de Marselha …

Uma torre asteca formada de crânios humanos descoberta no México
4 de julho de 2017

Uma torre asteca formada de crânios humanos descoberta no México

Em 1521, os conquistadores espanhóis, liderados por Hernán Cortés, descobriram e conquistaram Tenochtitlan, a capital do império asteca (agora a cidade de México) dois anos após sua chegada à costa sul-americana. A narrativa de um soldado espanhol, Andres de Tapia, que acompanhou Hernán Cortés …

Revelada a causa do misterioso ‘cocoliztli’, o mal que dizimou os índios das Américas

Revelada a causa do misterioso ‘cocoliztli’, o mal que dizimou os índios das Américas

15 de janeiro de 2018

Estudo com DNA antigo identifica a salmonela como possível agente patogênico que matou entre 50% e 90% dos indígenas depois da chegada dos espanhóis.

Quando Hernán Cortés pisou em solo mexicano em 1519, havia na região mesoamericana entre 15 e 30 milhões de índios. Ao final do século XVI, mal restavam dois milhões. Embora as guerras e a exploração tenham liquidado muitos indígenas, foram as epidemias que dizimaram a população. Em especial uma série de surtos de uma enfermidade desconhecida, que não tinha nome nem em espanhol nem em náhuatl, e que os mexicas chamaram de cocoliztli (o mal ou pestilência), matou entre 50% e 90% dos indígenas. Agora, um estudo com o DNA antigo pode ter identificado esse …