Reconstrução do carro de combate da Era do Ferro de Newbridge (Escócia)

Tradução de Nicolas Drouvot, 16 de agosto de 2018, referindo-se à noticia do Scottish History and Archaeology no site https://www.nms.ac.uk

Em 2007, Robert Hurford reconstruiu o carro, que agora faz parte da coleção do National Museums Scotland. Ele explica no vídeo como as evidências arqueológicas guiaram o processo.

O carro de combate do século V reconstituído

O carro de combate do século V reconstituído.

Os restos da carruagem como foi descoberta

Os restos da carruagem como foi descoberta.

Click!Esta esplêndida reconstrução revive um carro de combate da Era do Ferro descoberto em Newbridge, perto do aeroporto de Edimburgo.

Os túmulos com carro de combate eram muito exclusivos, e é o mais antigo conhecido na Grã-Bretanha.

Em 2001, escavações arqueológicas realizadas pela Headland Archaeology para novos desenvolvimentos em Newbridge, perto do Aeroporto de Edimburgo, permitiram de fazer uma descoberta surpreendente: um túmulo com carro de combate da Era do Ferro, o primeiro conhecido na Escócia.

Uma equipe de especialistas da Headland Archaeology e dos Museus Nacionais da Escócia (National Museums Scotland) descobriu essa descoberta nacionalmente significativa. Cada elemento encontrado foi cuidadosamente exposto e gravado.

A forma do carro é impressa dentro do buraco cavado no cascalho. As duas rodas foram colocadas em ranhuras cavadas para acomodá-las e as peças de ferro das juntas e do flange estão no topo, onde o fosso se alarga novamente.

Os restos das rodas foram trazidas para o laboratório de conservação do National Museums Scotland para um exame minucioso. Elas foram removidas com os blocos de solo extraídos, pesando quase meia tonelada.

As rodas foram examinadas no laboratório de conservação do museu. A corrosão do ferro havia preservado parte da madeira. Isso tornou possível reconstruir a roda com muita precisão.

A madeira preservada também forneceu uma datação por radiocarbono. O carro foi construído entre 475 e 380 aC, tornando-se o mais antigo enterro com carros de combate na Grã-Bretanha.

No final do túmulo estavam restos de arneses de cavalos. Nenhum cavalo foi enterrado com a carruagem, mas havia dois freios de cavalos e quatro argolas de ferro que se ajustavam ao jugo para guiar as rédeas.

Túmulos com carro de combate são muito raros na Europa e são encontrados apenas em certas áreas. Os paralelos mais próximos do túmulo de Newbridge são do norte da França e da Bélgica.

No entanto, foi a ideia que tinha viajado, não a carroça. Os detalhes técnicos do carro de Newbridge, como a forma como a roda foi feita e a falta de acessórios de suspensão, mostram que não era um carro continental, mas um veículo de fabricação britânica.

Em 2007, Robert Hurford reconstruiu o carro, que agora faz parte da coleção do National Museums Scotland. Ele explica no vídeo associado como as evidências arqueológicas guiaram o processo.

[Sobre um carro de combate da mesma época e da cultora do Marne, veja também: Os guerreiros gauleses de La Gorge-Meillet (Marne) recuperam seus rostos ]

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Antiguidade publicadas no site.

Os tesouros da princesa celta de Heuneburg na Alemanha revelam seus segredos
12 de agosto de 2018

Os tesouros da princesa celta de Heuneburg na Alemanha revelam seus segredos

O túmulo da princesa celta de Heuneburg remonta à Idade do Ferro, quando os Celtas ocupavam a atual Alemanha e negociavam com o resto da Europa. No outono de 2005, um fragmento de uma fíbula de bronze banhado a ouro foi descoberto após uma pesquisa, cerca de 2,4 km ao sul-sudeste de Heuneburg …

Os guerreiros gauleses de La Gorge-Meillet (Marne) recuperam seus rostos
29 de julho de 2018

Os guerreiros gauleses de La Gorge-Meillet (Marne) recuperam seus rostos

Um cientista chinês tenta novamente deslocar o berço da humanidade para a China... Em 1978, equipes chinesas encontraram um crânio a 30 km ao norte da cidade de Dali, na província de Shaanxi, no centro da China. O crânio seria datado entre - 267 e - 258.000 anos atrás. Devido a cumes supra-orbitais …

Aníbal e seus elefantes ainda não entregaram todos os seus segredos
2 de agosto de 2018

Aníbal e seus elefantes ainda não entregaram todos os seus segredos

OS MISTÉRIOS DO PASSADO. Seu itinerário pelos Alpes continua a alimentar debates inflamados. Dos textos antigos para vestígios de micróbios, algumas pistas sobre o caminho destes paquidermes quase lendários. Era o ano de 218 aC, 2.236 anos atrás …

30 de junho de 2018

Gauleses enterrados na Grã-Bretanha?

Uma civilização vegetal desconhecida no sudeste da Ásia?

150 esqueletos da Idade do Ferro foram exumados perto da aldeia de Pocklington, a leste do condado de York, no norte da Inglaterra.

Enterrados desde 2500 anos com, ao seu lado, pontas de lança e espadas, 150 esqueletos particularmente bem preservados foram descobertos em uma importante necrópole de Pocklington, datada da Idade do Ferro (425 a 25 aC), ou seja, do período La Tene.

Seria a descoberta mais importante já feita na Inglaterra para este período. Uma das 75 sepulturas continha o único escudo desse período encontrado na Grã-Bretanha. A julgar pelos rituais funerários observados pelos arqueólogos, esses vestígios podem ter pertencido a populações conhecidas como "cultura de Arras", termo criado em 1940 pelo famoso arqueólogo australiano Gordon Childe (1892-1957) para batizar esses grupos …