Três esqueletos queimados encontrados na Bulgária podem ser vítimas da invasão gótica do meio do século III

Traduzido por ND, 10 de junho de 2018, referindo-se ao artigo de Sarah Gibbens do 06/06/18 para https://www.nationalgeographic.fr
bem como ao artigo de The Sofia Globe do 14/05/18 para https://sofiaglobe.com

O esqueleto da mulher adulta foi encontrado em uma camada estratigráfica que remonta a 251 aC

O esqueleto da mulher adulta foi encontrado em uma camada estratigráfica que remonta a 251 dC. Ela segurava uma pulseira de bronze na mão / Fotografia de Elena Bozhinova, Museu de Arqueologia de Plovdiv

Perto dos restos mortais, os arqueólogos desenterraram uma estatueta de bronze representando a deusa romana Vênus nua, simplesmente usando um colar de ouro

Perto dos restos mortais, os arqueólogos desenterraram uma estatueta de bronze representando a deusa romana Vênus nua, simplesmente usando um colar de ouro.

Click!Os três esqueletos desenterrados na Bulgária foram queimados pelo fogo. A criança e os dois adultos viviam em uma antiga cidade da atual Bulgária antes de cair nas mãos dos Godos há 1700 anos atrás. De acordo com a aparência de seus esqueletos, eles morreram com sofrimento atroz.

Os restos mortais de três pessoas, uma criança e dois adultos, foram descobertos na Bulgária. Eles morreram há 1700 anos atrás. Elena Bozhinova, arqueóloga do Museu de Arqueologia de Plovdiv, descobriu os restos no local da antiga cidade de Filipópolis, localizada não muito longe de Plovdiv, na Bulgária.

Os arqueólogos acreditam que esta descoberta macabra tem uma conexão com a invasão da região pelos Godos há muitos séculos. Se a evidência de ataques pelos Godos já foi coletada, é extremamente raro descobrir esqueletos.

Os esqueletos revelam que as três pessoas morreram no incêndio. Duas pulseiras de bronze foram encontradas em um dos esqueletos, sugerindo que era uma mulher. Perto dos restos mortais do outro esqueleto adulto, os arqueólogos desenterraram seis moedas e uma estatueta de bronze representando a deusa romana Vênus nua, simplesmente usando um colar de ouro.

Quanto ao esqueleto da criança, os cientistas descobriram a ponta de uma flecha. A morte da criança foi, portanto, particularmente violenta. A causa da morte das duas pessoas mais velhas não estava clara porque os restos mortais foram fortemente danificados pelo fogo. Os esqueletos queimados foram encontrados em poses não naturais.

A arqueológa Elena Bozhinova disse à imprensa local que ela e a sua equipa eram da opinião de que o triplo assassinato e o incêndio da casa da família ocorreram durante o ataque gótico de Filipópolis em 251. Neste assalto, a cidade foi quase completamente destruída pelo fogo.

Os Godos eram um povo germânico proeminente no começo do primeiro milênio. Eles são sobretudo conhecidos por atacar um Império Romano enfraquecido no século III d.C., antes de saquear Roma em 410.

Em 251, eles invadiram e queimaram em grande parte a cidade de Filipópolis. Existia centenas de anos antes que o Império Romano assumisse o controle e ainda é considerada uma das cidades mais antigas da Europa. Posteriormente, Filipópolis integrou o Império Otomano. O local ainda é objeto de escavações arqueológicas.

Arqueólogos estão atualmente escavando restos de construções de tijolos edificadas entre os séculos II e XIV. Além dos esqueletos, eles também descobriram os vestígios de uma rua principal, provavelmente ladeada com casas e lojas. Uma arca também foi descoberta: pode ser um monumento, mas os arqueólogos não têm certeza, diz Elena Bozhinova.

Bozhinova diz que a gente espera datar com precisão todas as estruturas uma vez que as moedas e cerâmicas encontradas no local tenham sido processadas. A equipe arqueológica encontrou 280 moedas, sem contar as moedas encontradas perto de um dos esqueletos, disse ela.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Roma imperial publicadas no site.

2 de junho de 2018

Nos passos da economia do Império Romano na Groenlândia

Nos passos da economia do Império Romano na Groenlândia

Pesquisadores conseguiram transformar núcleos de gelo da Groenlândia em um livro de contas para rastrear a prosperidade econômica das civilizações da antiguidade europeia.

Se os Gregos e Romanos não se dirigissem a essas latitudes polares para deixar vestígios, a poluição deles fez isso para eles. A escrita é o meio de comunicação por excelência para conhecer a História. Quando faltam escritos, os pesquisadores podem avaliar o estado de uma civilização estudando as ruínas ou objetos que ela deixou para trás. No entanto, graças a um estudo publicado na revista PNAS, os arqueólogos agora podem contar com uma nova ferramenta para avaliar a prosperidade de uma civilização: o chumbo. E o uso desse material pelos grandes impérios da Europa deixou vestígios …