Um naufrágio de 2400 anos foi encontrado em excelente estado no fundo do mar Negro

Tradução de Nicolas Drouvot, 25 de outubro de 2018, referindo-se à noticia de Sciences et Avenir avec AFP (24/10/18) no site https://www.sciencesetavenir.fr bem como à noticia da rtbf.be (23/10/18) no site https://www.rtbf.be

Este navio encontrado no fundo do Mar Negro tem 2400 anos de idade

Este navio encontrado no fundo do Mar Negro tem 2400 anos de idade - Black Sea MAP/EEF Expeditions

A equipe de pesquisa descobriu mais de 60 naufrágios que remontam a tempos antigos

A equipe de pesquisa descobriu mais de 60 naufrágios que remontam a tempos antigos. - © HO - AFP

O mais antigo navio 'intacto' do mundo, um navio mercante grego que remonta a 400 aC, foi descoberto por 2 quilômetros de fundo no mar Negro, anunciou uma expedição científica anglo-búlgara na terça-feira.

Isto é o que anunciou em 23 de outubro de 2018 a expedição científica anglo-búlgara Black Sea MAP (para Maritime Archaeology Project).

A expedição Black Sea MAP examinou por três anos os fundos do Mar Negro ao longo de mais de 2.000 km² da costa da Bulgária usando o sonar e um veículo controlado remotamente equipado com câmeras projetadas para exploração em águas profundas. "Nós já descobrimos pedaços de naufrágios que datam de tempos anteriores, mas este parece intacto", disse à BBC a arqueóloga Helen Farr, parceira do projeto. " O naufrágio jaz no fundo do mar, de um lado, ainda há o mastro, o leme, você não vê isso todos os dias."

Durante sua expedição, a equipe descobriu mais de 60 naufrágios que remontam à antiguidade, à época romana e até o século XVII. A nova descoberta foi encontrada em uma profundidade onde a água é desprovida de oxigênio e pode "conservar a matéria orgânica por milhares de anos", disse a equipe do Black Sea Map, acrescentando que os destroços foram datados pelo carbono 14. A equipe anunciou que publicará seus resultados em um periódico científico em uma conferência marcada para o final de outubro de 2018.

O estudo inicialmente focou a evolução do nível do mar e a imersão da região do Mar Negro. A descoberta dos destroços "é uma consequência feliz" desta pesquisa, acrescentou Helen Farr. Esta expedição foi realizada conjuntamente pela Universidade de Southampton e pelo Museu Arqueológico Nacional do Reino Unido, mas também pela Academia de Ciências e pelo Centro de Arqueologia Subaquática da Bulgária.

"Eu nunca pensei que seria possível encontrar intacto, e com dois quilômetros de profundidade, um navio que remonta a tempos antigos", disse o professor Jon Adams, diretor do Centro de Arqueologia Marítima da Universidade de Southampton (sul da Inglaterra), um dos líderes da expedição. "Esta descoberta vai mudar nossa compreensão sobre a construção naval e a navegação nos tempos antigos", disse ele em um comunicado.

Este "tipo de embarcação comercial grega até agora só tinha sido observado nas decorações de antigas cerâmicas gregas", disseram os cientistas.

Note que as imagens deste naufrágio foram reconstruídas por fotogrametria a partir de milhares de fotos de alta resolução tiradas por ROVs, robôs submarinos que inspecionaram os destroços de todos os ângulos.

[Sobre este assunto, veja também a noticia: Naufrágios antigos descobertos no mar Egeu contam a história das rotas comerciais]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Antiguidade publicadas no site.

28 de setembro de 2018

Tumba pintada descoberta em Cumes (Itália): um banquete congelado no tempo

Tumba pintada descoberta em Cumes (Itália): um banquete congelado no tempo

É no sopé da colina sobre a qual está situada a antiga cidade de Cumae, na região de Nápoles, que Priscilla Munzi, pesquisadora do CNRS no Centro Jean Bérard (CNRS / Escola Francesa de Roma) e Jean-Pierre Brun, professor no College de France, escavam uma necrópole de época romana …

Como os Gregos de Foceia navegaram até Marselha
29 de setembro de 2018

Como os Gregos de Foceia navegaram até Marselha

Há 2.600 anos, navios da cidade grega de Foceia cruzaram o Mediterrâneo e fundaram Massalia, agora Marselha. Uma equipe de cientistas e carpinteiros marinhos agora está desvendando o mistério de seus navios. A terra estava finalmente à vista. De Foceia, Ásia Menor, várias semanas antes, Protis …

20 de setembro de 2018

A Pompéia do Irã: a incrível história de um massacre enterrado por milênios

A Pompéia do Irã: a incrível história de um massacre enterrado por milênios

O local de Hasanlu Tepe, no noroeste do Irã, fortificado durante a Idade do Ferro, foi saqueado por volta de 800 aC.

Uma grande parte do caos e destruição deste evento permaneceu congelado por um longo tempo, até os arqueólogos começar a descobrir e desenterrar edifícios, artefatos e até mesmo restos humanos bem preservados, em seus esforços para reconstruir a história desta infeliz colônia desaparecida.

O local foi brevemente explorado na década de 1930 e as escavações em grande escala ocorreram entre 1956 e 1977, patrocinadas pelo Museu da Universidade da Pensilvânia, o Museu Metropolitano de Arte e o Serviço Arqueológico Iraniano. Em 1958, a descoberta mais famosa de Hasanlu, conhecida como 'Gold Bowl' (taça de ouro), chamou a atenção da comunidade internacional. O artefato de ouro maciço pesa mais de duas libras e usa decorações notáveis representando várias cenas mitológicas. Esse recipiente espetacular, no entanto …