Um osso de dedo humano de 85.000 anos encontrado na Arábia Saudita

Traduzido por ND, 10 de abril de 2018, referindo-se ao artigo do 09/04/18 para https://ici.radio-canada.ca/

Com um comprimento de apenas 3,2 centímetros, o fóssil, provavelmente o osso mediano de um major, foi descoberto em 2016.

Com um comprimento de apenas 3,2 centímetros, o fóssil, provavelmente o osso mediano de um major, foi descoberto em 2016.

Click!Um osso do dedo, encontrado no deserto de Nefoud, na Arábia Saudita, sugere que o Homo sapiens já havia alcançado o interior da península há 85 mil anos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature Ecology & Evolution.

O Homo sapiens, também chamado de homem moderno, apareceu na África há mais de 300 mil anos. A gente ficou pensando muito tempo que ele apenas tinha deixado "seu berço" há cerca de 60 mil anos atrás. Mas nos últimos anos, as descobertas desafiaram essa teoria.

De acordo com este último estudo, o osso que "inegavelmente pertenceu a um homem moderno" teria pelo menos 85.000 anos de idade, talvez até 90.000 anos de idade.

Uma descoberta indicando que "nossa espécie se espalhou para fora da África muito antes do que se pensava", disse Huw Groucutt, da Universidade de Oxford, co-autor do estudo.

Uma descoberta única, segundo a equipe de pesquisadores. Com um comprimento de apenas 3,2 centímetros, o fóssil, provavelmente o osso mediano de um major, foi descoberto em 2016.

Para definir sua idade, Huw Groucutt e sua equipe usaram a datação radiométrica, que é a medida da variação regular ao longo do tempo dos elementos radioativos.

Esse osso é o mais antigo fóssil de Homo sapiens "datado diretamente" descoberto fora da África, de acordo com a equipe, que argumenta também que os outros que podem competir com ele foram datados apenas pelos sedimentos que os cercam.

Houve múltiplas dispersões de seres humanos fora da África, o movimento migratório e a colonização da Eurásia foram muito mais complicados do que os nossos livros escolares dizem, disse Michael Petraglia, do Departamento de Evolução Humana do Instituto Max Planck na Alemanha e co-autor da pesquisa.

Segundo a teoria dominante, o Homo sapiens deixou a África em uma onda importante há 60 mil anos, seguindo as costas do Mar Mediterrâneo, em direção ao leste.

Mas este dedo mostra "que os humanos modernos estavam se movendo por dentro da terra da Eurásia, não ao longo da costa", diz o pesquisador Michael Petraglia.

Ler em contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Primeiros hominídeos publicadas no site.

Neandertal, primeiro pintor da humanidade
12 de março de 2018

Neandertal, primeiro pintor da humanidade

Uma descoberta que sacode toda a ciência pré-histórica. Homo sapiens acaba de ser destronado de seu status como artista exclusivo. De acordo com um estudo realizado por Dirk Hoffmann (Instituto Max Planck, Leipzig, Alemanha), três cavernas ornamentadas espanholas contêm vestígios de pinturas demais antigos para ser feitos por humanos modernos. Datados de pelo menos …

A pulseira mais antiga do mundo deixa os arqueólogos estupefatos
28 de janeiro de 2018

A pulseira mais antiga do mundo deixa os arqueólogos estupefatos

Descobertos em 1920 na Síria por escavações franco-americanas, os afrescos de Dura-Europos são as mais antigas representações conhecidas de Cristo. Apresentados na exposição "Cristãos do Oriente, 2000 anos de história", dois afrescos excepcionais, preservados na Yale University Art Gallery de …

Um osso de dedo humano de 85.000 anos encontrado na Arábia Saudita
10 de abril de 2018

Um osso de dedo humano de 85.000 anos encontrado na Arábia Saudita

Um osso do dedo, encontrado no deserto de Nefoud, na Arábia Saudita, sugere que o Homo sapiens já havia alcançado o interior da península há 85 mil anos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature Ecology & Evolution. O Homo sapiens, também chamado de homem moderno, apareceu na África …

10 de abril de 2018

Uma cachoeira de 1,5 km de altura encheu o Mediterrâneo oriental

Uma cachoeira de 1,5 km de altura encheu o Mediterrâneo oriental

As águas tranquilas do Mediterrâneo cobrem as cicatrizes de um passado tumultuoso. Pesquisadores estão gradualmente destacando evidências gravadas no fundo do mar, o que mostra que este mar conheceu, em um tempo distante, uma das piores inundações da história do planeta. As explicações de Marc-André Gutscher, um geólogo que participou da descoberta desse desastre que ocorreu há mais de cinco milhões de anos.

O Mediterrâneo secou. Vastas extensões, anteriormente submersas, expostas ao ar livre entre lagos hipersalinos semelhantes ao Mar Morto. Por mais difícil que seja, essa visão era muito real se voltarmos uns seis milhões de anos atrás. No final do Mioceno, durante o Messiniano, o Mare Nostrum foi, de fato, o cenário da mais violenta erupção …