Uma biblioteca de 200 anos encontrada intacta em uma casa abandonada

De Nicolas Drouvot, 8 de março de 2019, referindo-se à noticia de Pierre Martial no site https://www.pierremartial.com
bem como à noticia de bereal.be no site https://news.bereal.be

A descoberta de uma biblioteca do século XVIII e do início do século XIX, obra de toda a vida de um intelectual francês que fugiu da Revolução Francesa

A descoberta de uma biblioteca do século XVIII e do início do século XIX: "obra de toda a vida de um intelectual francês que fugiu da Revolução Francesa"

A biblioteca Bouillon

A biblioteca Bouillon.

Um dos livros da biblioteca Bouillon

Um dos livros da biblioteca Bouillon: "VOYAGE AU BRÉSIL; OÙ L'ON TROUVE la description du pays, de ses productions, de ses habitans, et de la ville et des provinces de San-Salvadore et Porto Seguro, Par THOMAS LINDLEY, Paris 1806".

Henri Godts, conhecido em toda a Europa como um dos melhores especialistas em livros raros e antigos

"Henri Godts, conhecido em toda a Europa como um dos melhores especialistas em livros raros e antigos".

Click!Esta descoberta de uma biblioteca do século XVIII e do início do século XIX, obra de toda a vida de um intelectual francês que fugiu da Revolução Francesa para se instalar em Bouillon, cidade francófona da Bélgica oferece uma fabulosa viagem ao passado.

A família não quer revelar de quem se trata precisamente. Mas o mais impressionante é que cada livro permaneceu intacto, no mesmo lugar em que o proprietário provavelmente o colocou.

Tudo começou com uma misteriosa chamada telefónica para o livreiro Henri Godts.

O telefonema veio dos herdeiros distantes de um homem que morreu há alguns anos e cuja casa há muito tempo estava em estado de quase abandono.

Convocados por um notário para fazer um inventário da propriedade, esses mesmos herdeiros foram para esta estranha casa, localizada em Bouillon, Bélgica, a cerca de 5 quilômetros da fronteira francesa.

E lá, qual foi a surpresa deles, explicaram ao livreiro, ao descobrir uma incrível biblioteca com mais de 200 anos, que permaneceu incrivelmente intacta apesar dos anos, incluindo móveis!

Concordaria ele, Henri Godts, conhecido em toda a Europa como um dos melhores especialistas em livros raros e antigos, para a ver e estimar?

Este é, sem dúvida, o sonho de qualquer colecionador de livros: entrar em uma autêntica biblioteca do século 18, onde nenhum livro foi tocado por quase 200 anos. Foi então o que aconteceu com um especialista belga da casa de leilões Henri Godts, em Bruxelas.

Henri Godts descobriu então uma rica coleção de cerca de 182 livros extremamente raros. "Incrível! A porta dessa biblioteca foi encerrada sem que ninguém entrasse depois para pegar um livro ", conta o especialista. Por quê? Ninguém parece realmente saber disso. Apenas suposições são formuladas para o momento.

A casa de leilões não só descobriu 182 livros autênticos dos séculos XVIII e XIX, contendo descrições excepcionais de países, regiões, povos e culturas dos lugares mais exóticos, mas também móveis como mesas, cadeiras e poltronas que também têm pelo menos 150 anos e permaneceram quase intactos.

"É extremamente raro encontrar tal biblioteca autêntica. É como se eu fosse catapultado de volta ao século XVIII em uma máquina do tempo. Os livros são todos perfeitamente conservados e parecem saídos da imprensa da época, em sua capa de papel original "(Henri Godts, leiloeiro Godts)

"Quando abri a porta dessa biblioteca pela primeira vez, fiquei extremamente surpreso com a autenticidade e a atmosfera do século XVIII que prevaleceu ali. Demorei dois dias para elaborar um inventário completo. Eu mantive cada um desses livros em minhas mãos, tendo o cuidado de proceder com cuidado para evitar danificá-los. "(Henri Godts)

Entre as 182 obras raríssimas desta biblioteca, encontram-se numerosas obras do século XVI ao XIX (Emblemata, Voltaire de Kehl em 70 volumes, Grandville, Töpffer em rica capa dura), bem como livros de horas, iluminados, para o uso de Utrecht e Canterbury (Bruges, c.1450 e c.1480-1500), Decretales de Gregório IX (Veneza, 1501), e Horas da Virgem, ilustrado e impresso em velino (Paris, 1513-1527).

Por fim, os 182 livros do século XVIII e XIX foram leiloados pela leiloeira Henri Godts, em Bruxelas, em 2017. A biblioteca, avaliada entre 32 500 e 41 000 euros, atingiu a quantia recorde de 75.000 euros, segundo a casa Godts, que organizou a venda.

[Se você gostou deste artigo, poderá gostar também desta noticia sobre a erupção em 8 de junho de 1783 do vulcão Laki que poderia ter semeado o fermento da Revolução Francesa: Laki, Islândia, 1783: o vulcão que desencadeou a Revolução Francesa?]

[Também, poderá gostar desta noticia sobre a descoberta no centro da cidade da antiga Colônia, na Alemanha, de uma biblioteca pública, como a de Éfeso, que podia conter antigamente quase 20.000 rolos!: Arqueólogos descobrem a biblioteca mais antiga da Alemanha]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Outras noticias sobre a categoria era moderna e contemporânea publicadas no site.

Perdidos no Polo Norte: A desastrosa expedição do capitão John Franklin
21 de maio de 2018

Perdidos no Polo Norte: A desastrosa expedição do capitão John Franklin

O naufrágio do segundo navio da lendária expedição britânica desaparecida em 1848 acabou de ser descoberto no Ártico, encerrando um dos maiores enigmas e tragédia marítima do século XIX. Extraordinário! Quase dois anos depois de descobrir o HMS Erebus, o navio perdido da desastrosa expedição do Britânico …

16 de abril de 2018

Um mistério da Segunda Guerra Mundial resolvido graças às árvores

Um mistério da Segunda Guerra Mundial resolvido graças às árvores

Pesquisadores esclareceram uma parte da História estudando anéis de árvores perto de um campo de batalha na Noruega. Como o Tirpitz, o maior navio de guerra alemão, conseguiu escapar dos bombardeios aliados durante a Segunda Guerra Mundial? Pesquisadores descobriram a resposta "nos anéis de crescimento das árvores"!

Durante o conflito de 39-45, os Aliados tentaram várias vezes afundar o Tirpitz que o senhor da guerra britânico Winston Churchill apelidava de "a besta". O navio foi finalmente enviado para o fundo em novembro de 1944, durante um ataque aéreo da Royal Air Force. Muito mais tarde, em 2016, durante uma viagem com seus alunos para as florestas do norte da Noruega, Claudia Hartl, uma pesquisadora, encontrou traços inesperados dos combates. "Nós medimos anéis de árvores e descobrimos que eles eram muito estreitos, em alguns casos quase ausentes, para o ano de 1945", disse Claudia Hartl na reunião anual da União Europeia de Geociências organizada em Viena. "Claro, a gente se perguntou por que?" As primeiras suspeitas foram insetos …