Vinte fascinantes estatuetas pré-colombianas descobertas no Peru com o rosto coberto por uma máscara

Tradução de Nicolas Drouvot, 24 de outubro de 2018, referindo-se à noticia de Sciences et Avenir avec AFP (23/10/18) no site https://www.sciencesetavenir.fr

Vinte estátuas de madeira com 800 anos de idade foram descobertas na antiga cidade de Chan Chan, o maior sítio pré-colombiano da América, perto de Trujillo, no Peru

Vinte estátuas de madeira com 800 anos de idade foram descobertas na antiga cidade de Chan Chan, o maior sítio pré-colombiano da América, perto de Trujillo, no Peru - Martin Mejia / AP

Um especialista está trabalhando na escavação de estátuas de madeira encontradas no sítio arqueológico de Chan Chan, na região de Trujillo, no norte do Peru, em 20 de outubro de 2018

Um especialista está trabalhando na escavação de estátuas de madeira encontradas no sítio arqueológico de Chan Chan, na região de Trujillo, no norte do Peru, em 20 de outubro de 2018 - AFP - CRIS BOURONCLE

Essas obras, todas em bom estado, exceto uma, foram desenterradas na antiga cidade de Chan Chan

Essas obras, todas em bom estado, exceto uma, foram desenterradas na antiga cidade de Chan Chan.

Click!Estas estatuetas de 70 cm de altura foram dispostas nas alcovas de um dos palácios fortificados da antiga cidade de Chan Chan. Estas são as esculturas mais antigas da região conhecidas até hoje.

Vinte estátuas de madeira com 800 anos de idade foram descobertas na antiga cidade de Chan Chan, o maior sítio pré-colombiano da América, anunciaram arqueólogos e a ministra da Cultura peruana Patricia Balbuena nesta segunda-feira (22 de outubro de 2018).

Essas estatuetas de 70 cm, todas em bom estado, exceto uma, foram desenterradas na antiga capital do império Chimu, localizada perto da moderna cidade de Trujillo, a 570 km ao norte de Lima.

As esculturas estavam alinhadas em nichos esculpidos na parede de um corredor decorado com baixos-relevos de terra, num edifício de mil anos.

O corredor onde foram as estatuetas avistadas só foi descoberto em junho de 2018 no palácio do Grande Chimu, um dos dez palácios fortificados da cidade de Chan Chan, visitada anualmente por milhares de turistas de todo o mundo.

"Esta é uma descoberta importante por causa de sua antiguidade e qualidade de decoração", congratulou-se o ministro da Cultura, visitando o site.

As estátuas, descobertas em setembro, são pretas com uma máscara bege. "Seriam as esculturas mais antigas conhecidas até hoje em Chan Chan", disse o arqueólogo Arturo Paredes, que dirige as escavações.

O império Chimu está no seu auge entre 900 e 1450 na costa norte do Peru. Na época, Chan Chan, que significa "sol resplandecente", tinha 30.000 habitantes. A cidade tinha então dez cidadelas, ou palácios fortificados, no seu centro de seis quilômetros quadrados. No total, a cidade abrange 20 quilômetros quadrados.

A cidade de Chan Chan foi listada como Patrimônio Mundial em 1986 pela UNESCO. Mais de 500 pessoas, incluindo 50 arqueólogos, trabalham no lugar em vários projetos de pesquisa.

[Sobre a civilização chimú, veja também a noticia: Dois sítios pré-hispânicos de sacrifício em massa de crianças descobertos no Peru]

Ler o texto considerado no seu contexto

Ultimas noticias

Algumas noticias recentes sobre a categoria Idade Média publicadas no site.

12 de setembro de 2018

Uma mudança climática estava na origem da peste negra

Uma mudança climática estava na origem da peste negra

A História nos aprende que o aquecimento global poderia muito bem nos reservar uma surpresa ruim. Desde alguns verões, o aumento anual das temperaturas é uma oportunidade para observar o degelo do permafrost, essa camada de subsolo congelado que faz fronteira com o círculo polar …

10 de setembro de 2018

Crianças tomadas como reféns? Testes genéticos revelam relações inesperadas em tumbas medievais

Crianças tomadas como reféns? Testes genéticos revelam relações inesperadas em tumbas medievais

Uma dúzia de tumbas medievais excepcionais contendo os restos mortais de 13 pessoas acabou de revelar seus segredos genéticos agora que os pesquisadores criaram uma árvore genealógica das pessoas que estão enterradas lá.

Em 1962, trabalhadores da construção civil descobriram um local raro na cidade de Niederstotzingen, no sul da Alemanha: um cemitério de 1400 anos cheio de objetos funerários e os corpos de 13 guerreiros e crianças. Mas, apesar de décadas de estudo, ninguém sabia como eles estavam mortos ou de onde vieram. Agora, uma nova análise de seu DNA e outros traços químicos em seus ossos revela que os guerreiros medievais eram surpreendentemente cosmopolitas, alguns nascidos localmente e outros vindos de partes distantes da Europa. Uma possibilidade, embora não …